Mais de 550 joias da Idade do Bronze foram encontradas por arqueólogos na Polônia. De acordo com os pesquisadores, os materiais eram utilizados como parte de um antigo ritual de sepultamento. O mais interessante é que essas cerimônias aconteciam na água.

Leia mais

Descoberta mudou o entendimento dos historiadores

  • Conhecido como Papowo Biskupie, o leito seco do lago foi ocupado entre 1200 e 450 a.C. pelo grupo Chełmno, uma comunidade da maior cultura lusaciana que viveu no norte da Europa durante o final da Idade do Bronze e início da Idade do Ferro.
  • Os lusatianos são mais conhecidos por suas deposições rituais de acumulações de metal em corpos d’água.
  • No entanto, não havia evidências até agora de que o grupo Chełmno se envolvesse nestas práticas.
  • Essa percepção mudou a partir da descoberta das joias, feita através de detectores de metais, em 2023.
  • O estudo foi publicado na revista Antiquity.
  • As informações são da Live Science.

Uso das joias pelos povos antigos

As joias de metal descobertas incluem uma variedade de ornamentos de braço e pescoço, bem como um colar multifio com contas ovais e tubulares ao redor de um pingente semelhante a uma cauda de andorinha.

Nossas descobertas refletem o papel crescente do metal na vida social e ritual [do grupo Chełmno], resultando em uma mudança da deposição de restos humanos para ofertas de metal na paisagem local de zonas úmidas.

 Łukasz Kowalski, pesquisador da Universidade AGH de Ciência e Tecnologia de Cracóvia e coautor do estudo

Os pesquisadores concluíram que muitos dos artefatos de metal foram criados por membros da comunidade local. Mas algumas, incluindo uma das contas do colar, foram confeccionadas usando materiais terceirizados.

publicidade

O grânulo é feito de vidro com baixo teor de magnésio que foi originado da região do Mediterrâneo Oriental. Isso aumenta o uso de evidências de que as elites de poder do grupo Chełmno se tornaram partes de uma rede de comércio de metais que conectou grande parte do continente europeu no 1º milênio a.C.

 Łukasz Kowalski, pesquisador da Universidade AGH de Ciência e Tecnologia de Cracóvia e coautor do estudo

Além das joias, os arqueólogos descobriram restos mortais de pelo menos 33 indivíduos no leito do lago. No entanto, a datação por radiocarbono revelou que os ossos foram enterrados antes da deposição de metal, o que oferece mais evidências de que o “sistema de crenças do grupo Chełmno mais tarde entrou em linha com o resto da região”, de acordo com o comunicado.

Como parte do estudo, os pesquisadores criaram um modelo hipotético de uma mulher Chełmno usando algumas das joias de metal. Veja abaixo:

(Imagem: divulgação/A. Fisz)

Nossa descoberta abre uma nova janela para explorar as práticas sociais e rituais do grupo Chełmno e reflete a complexa interação entre a deposição de restos humanos e objetos metálicos em áreas úmidas. Esta descoberta pode sinalizar como o metal e as deposições humanas podem ser usadas para regular as relações sociais no grupo Chełmno e para demonstrar sua identidade local.

 Łukasz Kowalski, pesquisador da Universidade AGH de Ciência e Tecnologia de Cracóvia e coautor do estudo