Há mais de 10 anos em desenvolvimento, a vacina do Instituto Butantan contra a dengue pode finalmente chegar aos braços dos brasileiros. De acordo com o centro de pesquisa, após conclusão da última fase, os dados do fármaco devem ser enviados para aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) este ano, com uma aprovação definitiva ocorrendo até 2025 — liberando o imunizante para a aplicação. 

Para quem tem pressa: 

  • Segundo artigo publicado na New England, a vacina do Butantan contra a dengue tem eficácia de 79,6%, bastante semelhante à atual Qdenga, com 80,2%; 
  • Diferente do produto do laboratório Takeda, no entanto, a vacina do Butantan será de dose única, trazendo várias vantagens, e protegerá contra os quatro tipos do vírus da dengue;
  • Conforme o diretor do Butantan e primeiro autor do estudo, Esper Kallás, o instituto deve concluir os cinco anos de acompanhamento dos voluntários. Assim, com dados consolidados, será possível enviá-los a Anvisa — a expectativa é que isso ocorra no segundo semestre deste ano; 
  • Na quarta (31), o governador do estado de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), disse que o desenvolvimento e trâmites relacionados à vacina devem ir até setembro de 2024; 
  • Ele confirmou, em entrevista à rádio CBN, que o imunizante será disponibilizado ao país em 2025; 
  • Até o momento, não há informações sobre se quem tomou a Qdenga poderá receber a vacina do Butantan. 

Leia mais! 

Se tudo correr bem, devemos conseguir a aprovação definitiva em 2025. Já temos infraestrutura para produzir o imunizante no Butantan, embora ela ainda possa ser aprimorada, afinal, são quatro vacinas em uma. 

Esper Kallá, infectologista, diretor do Butantan e primeiro autor do estudo da vacina contra a Dengue do instituto, à Fapesp. 

A notícia chega no momento em que as mortes pela doença batem recorde no Brasil. No ano passado, foram 1.079 óbitos por dengue, quase 30 a mais do que o registrado em 2022. Embora o número pareça relativamente pequeno, o aumento de 17,5% mostra uma escalada que preocupa especialistas. 

publicidade

Para o Ministério da Saúde, a situação deve ser ainda pior este ano devido à combinação de calor e chuva intensa, efeitos do El Niño. Outro agravante é o ressurgimento recente dos sorotipos 3 e 4 do vírus no Brasil — a Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT) alertou que, ante ao cenário, os casos serão mais graves. 

Temos uma linha de trabalho com o Butantan. O Brasil está adquirindo uma vacina do Japão, mas a quantidade ainda é insuficiente. Estamos desenvolvendo a nossa vacina. Será muito avançada, a melhor vacina de dengue no mundo, e será aplicada em uma dose.

A previsão é que fique pronta em setembro e estamos tentando antecipar esse cronograma. Vamos apresentar para a Anvisa, de maneira que no ano que vem possamos fabricar e fornecer para o Brasil inteiro. A ideia — e depende das tratativas com a Anvisa — é que ela esteja disponível em 2025. 

Tarcísio de Freitas, governador do estado de São Paulo, à rádio CBN.

De acordo com o G1, um painel recente da pasta já mostrou que o total de casos de dengue em janeiro já supera o registrado em todo o ano de 2017. São mais de 243 mil casos, um aumento de mais de 160% se comparado a janeiro de 2023. 

A Qdenga no Brasil 

Incorporada ao SUS em dezembro do ano passado, após análise da Comissão Nacional de Incorporações de Tecnologias (Conitec), a Qdenga tem registro na Anvisa e é indicado para prevenção da dengue em pessoas de quatro a 60 anos.    

O Ministério da Saúde informou que 521 municípios brasileiros foram selecionados para iniciar a vacinação via SUS, que começa este mês. Crianças e adolescentes de 10 a 14 anos serão priorizados. Veja aqui lista completa!