Os resultados financeiros do Google e da Microsoft, apresentados nesta semana, ficaram acima das projeções. Os números foram positivos graças, em grande parte, aos investimentos de ambas em inteligência artificial (IA) generativa. Essa é a tecnologia por trás do ChatGPT, por exemplo.

Para quem tem pressa:

  • Os resultados financeiros do Google e da Microsoft superaram as expectativas graças aos investimentos em inteligência artificial (IA) generativa, a mesma tecnologia por trás do ChatGPT, por exemplo;
  • A Microsoft destacou-se na área de IA por meio de investimentos na OpenAI e integração dessa tecnologia em seus produtos. A empresa registrou aumento de 18% nas vendas, em comparação a 2022. Esse sucesso ajudou a Microsoft a ultrapassar a Apple em valor de mercado;
  • O Google, parte da Alphabet, também creditou o aumento dos lucros à IA. A empresa reportou lucros de US$ 20,7 bilhões, com contribuições notáveis do YouTube e de sua unidade de computação em nuvem.

Graças a isso, a demanda por poder computacional, necessário para esse tipo de IA funcionar, cresceu nas divisões de computação em nuvem das duas big techs em questão. As informações são da AFP.

Leia mais:

IA na Microsoft

Fachada da Microsoft
(Imagem: HJBC/Shutterstock)

A Microsoft se destacou na área de IA ao investir na OpenAI, criadora do ChatGPT, e incorporar a tecnologia em seus produtos. A empresa registrou um salto nas vendas para US$ 62 bilhões (cerca de R$ 306 bilhões) entre outubro e dezembro – aumento de 18% em relação a 2023. O número superou as projeções dos analistas, que eram de US$ 61,1 bilhões (R$ 301 bilhões).

publicidade

A revolução da IA ajudou a Microsoft a ultrapassar a Apple como a empresa mais valiosa do mundo, com uma capitalização de mercado superior a US$ 3 trilhões (R$ 15 trilhões). Além disso, o preço das ações da Microsoft subiu 70% em relação ao ano anterior.

O CEO da Microsoft, Satya Nadella, enfatizou que a empresa tem aplicado IA em larga escala. A receita dos serviços de nuvem do Azure, por exemplo, aumentou 30% no período, impulsionada pela demanda computacional maior associada à adoção de IA.

IA no Google

Google
(Imagem: kovop/ Shutterstock)

O Google também atribuiu o impulso nos lucros à IA. A Alphabet, empresa-mãe da Google, reportou lucro de US$ 20,7 bilhões (R$ 102 bilhões) em receitas de US$ 86,3 bilhões (R$ 425 bilhões), com contribuições significativas do YouTube e da unidade de computação em nuvem.

Embora ainda seja principalmente impulsionada por anúncios, com total de US$ 65,5 bilhões (R$ 323 bilhões) em receitas de anúncios no trimestre, a receita anual da Google alcançou US$ 307,4 bilhões (R$ 1,5 trilhão) – aumento de 8,7% em relação aos 12 meses anteriores. No entanto, o resultado foi inferior a algumas expectativas do mercado. Isso levou a uma queda acentuada no preço das ações da Google após o fechamento do mercado.

As vendas na área de computação em nuvem do Google aumentaram 26%, o que reforça o argumento da empresa de ser um grande fornecedor de IA. O Google ainda está atrás da Microsoft e da AWS, da Amazon, que são as principais fornecedoras de serviços de computação em nuvem do mundo. O CEO da Alphabet, Sundar Pichai, mencionou que o novo modelo de IA Gemini da empresa oferecerá novas capacidades em todos os seus produtos – entre elas, o Bard e a Busca do Google.