As temperaturas dos oceanos bateram recorde em 2023. Este foi mais um reflexo das mudanças climáticas. Mas de acordo com um novo estudo, o superaquecimento sem precedentes das águas também pode elevar as temperaturas em todo o planeta.

Leia mais

Aumento das temperaturas

  • A partir de março de 2023, o Atlântico Norte começou a apresentar temperaturas muito superiores ao registrado nos últimos 40 anos.
  • Já em agosto do mesmo ano, as águas estavam cerca de 1,4°C mais quentes do que a média de 1982 a 2011.
  • Uma nova pesquisa, publicada na revista Bulletin of the American Meteorological Society, examina as causas desse aumento expressivo nas temperaturas oceânicas e projeta o que podemos esperar daqui para frente.
  • As informações são do Phys.org.
oceano
Águas estão mais quentes (Imagem: Romolo Tavani/Shutterstock)

Oceanos mais quentes irão gerar grande impacto

A análise das projeções dos modelos climáticos mostrou que as condições extremas registradas em 2023 foram semelhantes ao que os cientistas esperam que seja a média se o aquecimento global atingir 3°C de aquecimento. Atualmente, as temperaturas globais aumentaram cerca de 1,2°C acima dos níveis pré-industriais.

O calor extraordinário no Atlântico Norte e a falta de gelo marinho no Oceano Antártico em 2023 nos dizem que os oceanos estão soando um alarme. Precisamos urgentemente entender exatamente por que partes do oceano estão aquecendo rapidamente para que possamos nos preparar para interrupções climáticas mais frequentes em todo o planeta. A frequência com que somos atingidos por mais desses extremos depende de descobrir o que está levando os oceanos Atlântico e Antártico a um território desconhecido.

Dr. Till Kuhlbrodt, professor da Universidade de Reading e líder do estudo

O estudo destaca que o desequilíbrio energético da Terra é provavelmente um dos principais impulsionadores das temperaturas extremas dos oceanos, já que o planeta está atualmente absorvendo mais de 1,9 watts por metro quadrado a mais de energia solar do que irradia de volta para o espaço como calor.

publicidade

Esse desequilíbrio tem crescido rapidamente nas últimas décadas, principalmente devido aos gases que retêm o calor da atividade humana. Esse crescente excedente de energia está impulsionando o aquecimento dos oceanos, com mais de 90% do excesso de energia acumulado pelo planeta sendo canalizado para os oceanos.

Desde 2016, o Oceano Atlântico aqueceu mais rápido do que outras bacias oceânicas. Esse aumento pode estar ligado a baixos níveis recordes de gelo marinho no Oceano Antártico, sugerem os pesquisadores.

O rápido aquecimento do Atlântico coincidiu com um declínio acentuado na cobertura de gelo marinho ao redor da Antártica. Em 2023, a extensão do gelo marinho no inverno antártico atingiu de longe os níveis mais baixos desde que o monitoramento por satélite começou no final da década de 1970.

Os pesquisadores enfatizam a necessidade de quantificar o quanto o rápido aquecimento do Atlântico está impactando a cobertura de gelo marinho. A atribuição confiável dos extremos de gelo oceânico e marinho garantirá que os modelos climáticos possam prever com precisão os extremos futuros, o que informará as políticas de mitigação e medidas de resiliência em todo o mundo.