A missão Hayabusa2 do Japão retornou à Terra em dezembro de 2020 com as amostras coletadas do asteroide próximo à Terra 162173 Ryugu e a investigação desse material pode revelar informações importantes sobre a formação do Sistema Solar. Um dos focos dos pesquisadores é determinar como a matéria orgânica foi distribuída pela nebulosa solar, oferecendo pistas de como a vida surgiu, e agora uma nova pesquisa pode ter encontrado “sementes de vida” no material.

Para quem tem pressa:

  • Os pesquisadores encontraram nas amostras do Ryugu sinas de impactos de meteoritos;
  • As investigações indicaram que esse material que colidiu com asteroide provém de cometas compostos por matéria carbonácea muito semelhante à matéria orgânica primitiva;
  • No futuro, os pesquisadores querem estudar mais amostras do Ryugu para descobrir como essa matéria orgânica primitiva chegou a Terra  

Anteriormente, cientistas já haviam apontado a presença de mais de 20 aminoácidos, vitamina B3 ou niacina e poeira interestelar nas amostras do asteroide. No novo estudo, publicado recentemente no Science Advances, foram encontradas evidências de impactos de micrometeorito que deixaram manchas de vidro e minerais derretidos.

De acordo com os pesquisadores, liderados pela cientista da Terra da Universidade de Tohoku, no Japão, Megumi Matsumoto, esse micrometeoritos vieram de outros cometas, compostos por matéria carbonácea semelhante à matéria orgânica primitiva encontrada na poeira cometária antiga, podendo ser as sementes de vida que forma trazida a Terra.

publicidade

Leia mais:

Impactos de meteoritos e sementes de vida

A falta de uma atmosfera em Ruygu faz com a superfície do asteroide não sofra com processos de erosão. Assim o impacto de meteoritos acaba sendo preservado durante milhões ou até mesmo bilhões de anos. Foi graças a isso que os pesquisadores puderam encontrar respingos de material derretido nas amostras.

Quando os impactos acontecem, o calor e pressão produzidos acabam alterando a composição química dos materiais na superfície do asteroide e revelando informações sobre o evento. Ao realizar uma tomografia computadorizada 3D nos respingos de derretimento, os pesquisadores encontraram sinais de que os micrometeoritos vieram de fontes cometárias enquanto Ryugu estava em órbita próximo à Terra.

A análise também revelou pequenos materiais carbonáceos com textura esponjosa, indicando nanoporos que se formaram pela liberação de vapor d’água de silicatos hidratados. Esse material é muito semelhante à matéria orgânica primitiva observada na poeira cometária, exceto pela ausência de oxigênio e nitrogênio.

Propomos que os materiais carbonáceos se formaram a partir da matéria orgânica cometária através da evaporação de voláteis, como o nitrogênio e o oxigênio, durante o aquecimento induzido pelo impacto. Isto sugere que a matéria cometária foi transportada para a região próxima da Terra a partir do sistema solar exterior. Esta matéria orgânica pode ser as pequenas sementes de vida que uma vez foram trazidas do espaço para a Terra.

Megumi Matsumoto, em comunicado

Os pesquisadores esperam agora examinar mais amostras do Ryugu para investigar como os materiais orgânicos primitivos foram entregues na Terra há bilhões de anos.