Você já deve ter ouvido falar em caixa preta. O dispositivo é instalado em aviões e ajuda nas investigações em casos de acidentes aéreos. Mas agora, os carros fabricados na Europa também precisarão contar com uma tecnologia semelhante.

Leia mais

A União Europeia determinou que todos os veículos de passeio que se enquadrem na classe M1 (8 passageiros + o motorista) e veículos comerciais do tipo N1 (caminhonetes e vans com mais de 3,5 toneladas) saiam de fábrica obrigatoriamente com um EDR (Event Data Recorder). O objetivo da medida, que passa a valer a partir de julho deste ano, é ajudar nas investigações de possíveis acidentes envolvendo os carros.

O EDR começa a funcionar de forma automática quando há o acionamento dos airbags e dos tensores dos cintos de segurança. Isso significa que ele inicia a gravação assim que o capô ativo do veículo se abre ou quando há mudanças bruscas de velocidade na lateral ou na longitudinal. As informações são do UOL.

Informações da caixa preta dos carros serão enviadas para as autoridades

  • De acordo com a União Europeia, serão monitorados e armazenados na caixa preta a velocidade do veículo, frenagem, inclinação do carro, posição na estrada, tempo de resposta do sistema de segurança e acionamento ou não da chamada de emergência, item obrigatório desde 2018.
  • Os dados são de propriedade do dono do carro ou do motorista que estiver conduzindo o veículo no momento do acidente.
  • Segundo as autoridades europeias, essas informações serão coletados de forma anônima para evitar qualquer tipo de manipulação equivocada.
  • Após o acidente, tudo o que estiver armazenado na caixa preta dos carros será enviado para as autoridades locais competentes.
  • O acesso pode ser feito de duas formas: via interface OBD ou, no caso de destruição da porta (do equipamento), diretamente no EDR, como ocorre nos aviões.