Um relatório divulgado nesta terça-feira (6), Dia da Internet Segura, revela o cenário da violência sexual online e o impacto da inteligência artificial (IA) neste contexto. Segundo a Safernet, ONG que atua em defesa dos direitos humanos na internet, o número de denúncias de imagens de abuso e exploração sexual infantil online, em 2023, foi o maior já registrado em 18 anos.

Leia mais

IA potencializou este tipo de crimes

Os dados apontam que 71.867 novas denúncias desse tipo de crime foram recebidas pela ONG no ano passado. O crescimento em relação a 2022, quando foram feitos 40.572 registros, foi de 77,13%.

Para a Safernet, três fatores contribuíram para o aumento dos casos: as demissões em massa anunciadas pelas big techs, que atingiram as equipes de segurança, integridade e moderação de conteúdo de algumas plataformas; a proliferação da venda de packs com imagens de nudez e sexo auto-geradas por adolescentes; e a introdução da IA generativa para a criação desse tipo de conteúdo.

publicidade

Segundo a ONG, é recomendado que a expressão “pornografia infantil” seja substituída por “imagens de abuso e exploração sexual infantil” ou “imagens de abusos contra crianças e adolescentes”. Isso porque a imagem de nudez e sexo envolvendo uma criança ou adolescente (por lei, pessoas de 0 a 18 anos incompletos), por definição, não é consensual. Logo, não se trata de pornografia, mas de imagens de crianças e adolescentes sendo sexualmente abusadas e exploradas.

É possível realizar denúncias de páginas que contenham imagens de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes na Central Nacional de Denúncias da Safernet Brasil. O processo é 100% anônimo. Em caso de suspeita de violência sexual contra crianças ou adolescentes, deve ser acionado o Disque 100. As informações são do G1.

Outro recorde negativo

  • As denúncias de imagens de abuso e exploração sexual infantil online, somadas a outras violações de direitos humanos na internet recebidas pela Safernet, também registraram outro recorde histórico. 
  • Em 2023, a Safernet recebeu um total de 101.313 denúncias.
  • O recorde anterior era de 2008, quando a ONG recebeu 89.247 denúncias.
  • Ainda de acordo com a pesquisa, entre os crimes de ódio online, houve crescimento de 252,25% de denúncias de xenofobia e de 29,97% de denúncias de intolerância religiosa.
  • Por outro lado, houve queda no número de denúncias de três crimes de ódio entre 2023 e 2022: racismo (20,36%), LGBTfobia (60,57%) e misoginia (57,56%)
  • Segundo a Safernet, as quedas já eram esperadas, uma vez que as denúncias de crimes de ódio dispararam em anos eleitorais, comportamento registrado em 2018, 2020 e 2022.
  • Por isso, os dados não significam uma melhora no comportamento de usuários na web, e sim um retorno aos índices “normais” fora de períodos eleitorais, quando os ânimos se acirram ainda mais.