O Spotify pagou à indústria musical cerca de US$ 9 bilhões (aproximadamente R$ 45 bilhões) em 2023, de acordo com uma declaração da empresa. Ainda segundo a companhia, “o valor quase triplicou nos últimos seis anos, e representa uma grande parte dos mais de US$ 48 bilhões que o Spotify pagou desde a sua fundação.”

Para quem tem pressa:

  • O Spotify anunciou que pagou cerca de US$ 9 bilhões (aproximadamente R$ 45 bilhões) à indústria musical em 2023, montante que representa quase o triplo do valor pago nos últimos seis anos, segundo a empresa;
  • Esse pagamento contribui para os mais de US$ 48 bilhões repassados pela plataforma desde sua fundação. A empresa não forneceu detalhes sobre a distribuição desse montante, mas prometeu atualizações no seu relatório anual Loud & Clear nas próximas semanas;
  • O Spotify paga aproximadamente 70% de sua receita, proveniente de assinaturas premium e publicidade no plano gratuito, aos detentores de direitos;
  • Entre os detentores, estão gravadoras e distribuidoras independentes, por exemplo. Estes, por sua vez, repassam parte desses pagamentos aos artistas e compositores, após deduzirem suas taxas e porcentagens;
  • A empresa enfatiza que os valores pagos são apenas parte do que artistas podem gerar em termos de receita, considerando outras fontes e serviços de música gravada.

A empresa não disponibilizou mais detalhes sobre o repasse. Mas informou que eles devem constar no seu relatório anual Loud & Clear, que será atualizado ao longo das próximas semanas.

Leia mais:

Receita do Spotify

Pessoa segurando celular com Spotify aberto
(Imagem: TY Lim/Shutterstock)

A empresa explicou, em março de 2023, que paga quase 70% de cada dólar gerado com música de volta para a indústria. Assim, sua receita vem de duas fontes: assinaturas do Spotify Premium e publicidade no plano gratuito. 

publicidade

É importante notar que os pagamentos vão primeiro para os detentores dos direitos, que raramente são o artista ou compositor. Esses tiram sua taxa ou porcentagem para, então, pagarem aos artistas sua parte. Entre os detentores, estão: gravadoras, distribuidoras independentes e organizações de direitos de execução, por exemplo.

No início desta semana, o Spotify anunciou que no quarto trimestre de 2023 adicionou 28 milhões de usuários ativos mensais no total. Assim, a plataforma de streaming alcançou 602 milhões de usuários. E ganhou dez milhões de assinantes Premium para chegar a 236 milhões.

Atualmente, o Spotify é, de longe, o maior serviço de streaming de música pago do mundo. E a maioria do seu público está nos Estados Unidos. Sobre a distribuição de royalties, a empresa disse, no começo do ano passado: “Essas cifras representam a geração de receita do Spotify sozinho. Levando em conta os ganhos de outros serviços e fluxos de receita gravados, esses artistas provavelmente geraram quatro vezes essa receita de fontes de música gravada no geral.”