Se você assistiu ao anime Pokémon entre os anos 90 e 2000, provavelmente quis, em algum momento, ter um Pokédex – aquele aparelhinho vermelho capaz de identificar as criaturas. E o youtuber concretizou esse desejo. O entusiasta de engenharia Abe’s Projects criou uma versão do Pokédex com o ChatGPT que funciona razoavelmente bem.

Para quem tem pressa:

  • O youtuber Abe’s Projects realizou o sonho de muitos fãs de Pokémon dos anos 90 e 2000 ao criar um Pokédex funcional graças ao ChatGPT. Seu projeto visava replicar o design icônico do anime, achar um jeito de tornar o dispositivo capaz de reconhecer Pokémons e emular a voz robótica original do Pokédex;
  • Para construir o aparelho, o youtuber utilizou impressão 3D para criar uma caixa retangular vermelha, equipando-a com uma câmera para identificação de Pokémon, um alto-falante e uma bateria. O “cérebro” do dispositivo é o ChatGPT, que analisa as imagens capturadas pela câmera e consulta a API Pokémon para identificar as criaturas;
  • Além da identificação dos Pokémon, a inteligência artificial contribuiu significativamente para reproduzir a voz característica do Pokédex, imitando o timbre de Nick Stellate, o ator que deu voz ao dispositivo no anime entre 1997 e 1998.

O youtuber tinha três objetivos. Primeiro: construir um dispositivo com design parecido ao do anime. Segundo: achar um jeito de tornar o aparelho capaz de reconhecer Pokémons na maioria das situações. Terceiro: colocar uma voz robótica semelhante à mostrada no desenho.

Leia mais:

Pokédex com ChatGPT: como?

Captura de tela de vídeo sobre Pokédex real
(Imagem: Reprodução/YouTube)

Primeiro, o youtuber imprimiu em 3D uma caixa retangular vermelha para o dispositivo. Ela abriga os componentes necessários para fazer o Pokédex funcionar – por exemplo: uma câmera para identificar Pokémon, um alto-falante e uma bateria. 

publicidade

A identificação é onde o ChatGPT, com GPT-4 (modelo da OpenAI mais avançado disponível), entra em jogo. O entusiasta usa a inteligência artificial (IA) da OpenAI para analisar o que o dispositivo “viu” e verificar na API Pokémon, banco de dados com informações sobre as criaturas de Pokémon.

A IA não atuou apenas na identificação de Pokémons, mas também ajudou a replicar a voz de Nick Stellate, o ator por trás da voz do Pokédex entre 1997 e 1998. Usando o PlayHT, gerador de voz com IA, o youtuber clonou a voz de Stellate a partir de um vídeo. O resultado não é uma réplica perfeita. Mas é boa o suficiente para se divertir.

Embora o youtuber tenha enfrentado obstáculos ao construir seu Pokédex, incluindo um bug onde o dispositivo mostrava besteiras em vez de texto na tela, o produto final foi um aparelho digno de nota. O dispositivo não era bom em identificar pelúcias de Pokémon, mas conseguiu identificar bonequinhos e imagens online.

Confira abaixo o vídeo sobre a construção do Pokédex: