A Meta anunciou mudanças em suas plataformas, optando por não recomendar ativamente conteúdo político no Instagram e no Threads (concorrente do X, ex-Twitter). Essa decisão impacta criadores e jornalistas focados em notícias e política, especialmente em um ano eleitoral crucial nos Estados Unidos e de eleições municipais no Brasil.

Embora os usuários ainda possam seguir contas que abordam questões políticas e sociais, o conteúdo dessas contas não será recomendado ativamente. Além disso, posts de contas não políticas que tratem de assuntos políticos ou incluam comentários sociais também não serão recomendados.

Leia também:

Conforme noticiado pelo Washington Post, essa medida amplia o trabalho da empresa em atender às demandas dos usuários quanto ao tratamento do conteúdo político, segundo a porta-voz da Meta, Dani Lever. Contudo, os usuários ainda poderão ver posts relacionados à política de contas que seguem, embora a probabilidade de encontrar tal conteúdo seja reduzida em páginas como “Explorar” e em Reels.

publicidade

Limitar alcance de conteúdo sobre política preocupa criadores

A mudança gerou críticas de criadores e jornalistas, que viram no Threads uma alternativa após Elon Musk afetar suas contas no X. Muitos questionam a vaguidade da política da Meta em relação aos assuntos sociais e políticos.

A medida preocupa também quanto à educação do eleitorado em um ano eleitoral importante, especialmente entre os jovens. Criadores destacam a importância de abordar questões como políticas climáticas, temendo a redução da conscientização sobre tais temas.

Embora as mudanças possam não afetar tanto os criadores conservadores, alguns alertam para os riscos de permitir que corporações determinem o que é considerado político, enquanto outros veem a medida como uma tentativa de “apolitizar” o ambiente online.

A incerteza sobre o que é considerado político preocupa criadores de conteúdo, levantando questões sobre liberdade de expressão e informação em plataformas controladas por corporações. A Meta afirma que contas profissionais podem apelar contra as restrições impostas.