Big techs como a Alphabet (controladora do Google), AppleAmazonMeta (responsável por Facebook e Instagram) e Microsoft lucraram juntas cerca de US$ 327 bilhões (mais de R$ 1,6 trilhão) em 2023. O valor é 25 superior ao registrado no ano anterior e corresponde, por exemplo, ao PIB total da Colômbia ou do Chile. Mesmo assim, as chamadas “Sete Magníficas” (grupo ao qual somam-se Tesla e Nvidia) seguem demitindo.

Leia mais

Após uma primeira onda de cortes em julho de 2023, a Microsoft voltou a demitir em 2024, cortando 1.900 funcionários depois de fechar um acordo de compra da Activision Blizzard por US$ 69 bilhões.

O mesmo acontece com a Amazon, que reduzirá em 35% a força de trabalho da plataforma Twitch. Além disso, cortará mais uma centena de funcionários da Amazon Prime depois de já realizar o desligamento de 9 mil pessoas no ano passado.

publicidade

Se as big techs estão cortando, imaginem o que ocorre em outras companhias menores. No total, quase 32 mil trabalhadores foram demitidos de 122 empresas de tecnologia desde o início do ano, de acordo com o site Layoff.fyi.

O Paypal, por exemplo, já cortou 2.500 funcionários. Enquanto isso, o Spotify demitiu 1.500, o eBay outros mil e o Snapchat mandou para a rua quinhentos trabalhadores.

Os cortes não têm relação com possíveis temores sobre o futuro (sempre há quem lembre que lucro passado não é garantia de resultados positivos no futuro). Segundo analistas, as empresas de tecnologia devem vender 12% a mais em 2024. Para 2025, o cenário também é otimista, com aumento de outros 12%. Mas então, o que está por trás dessa nova onda de demissões?

Alguns motivos para as demissões

  • Uma as principais explicações para os cortes (e que é usada como argumento pelas próprias empresas) é a inteligência artificial.
  • No início deste ano, um relatório da Goldman Sachs apontou que a IA poderia substituir o equivalente a 300 milhões vagas de emprego em tempo integral.
  • E as big techs estão apostando forte na tecnologia para aumentar a produtividade.
  • Além disso, existe um temor em relação ao passado.
  • Em meio à onda de euforia pelo sucesso que alcançaram durante a pandemia, muitas empresas do Vale do Silício aumentaram as contratações e expandiram seus planos de crescimento.
  • O resultado foi a eliminação de 168.032 empregos em 2023 apenas no setor de tecnologia.
  • Outra explicação é a taxa de juros do Federal Reserve, o Banco Central dos Estados Unidos.
  • Com a inflação alta, pegar dinheiro emprestado está mais caro e muitas companhias do setor precisam de muito capital, especialmente nas fases iniciais de desenvolvimento.
  • Com os cortes, as empresas tentam ficar o mais saudáveis possível em um momento de incerteza econômica.
  • As informações são da BBC.