A Cosmic Microwave Background (CMB), também conhecida como a superfície de última dispersão, é uma luz cósmica antiga que viaja livremente pelo Universo e fornece informações sobre o início dele.

A nova câmera atualizada SPT-3G, localizada no Polo Sul, conseguiu capturar a CMB após cinco anos de operações e fornece pistas promissoras para futuros desenvolvimentos.

Leia mais:

A distribuição da matéria escura só é revelada na luz da teoria da gravidade de Albert Einstein: a relatividade geral.

publicidade

Matéria escura e a relatividade geral

  • A matéria escura tem uma quantidade massiva e afeta a gravidade, mas não interage com a luz devido à sua composição diferente dos átomos;
  • A teoria da gravidade de Einstein diz que objetos com massa causam curvatura no espaço-tempo, afetando a trajetória da luz que passa por eles;
  • O efeito da lente gravitacional é usado para estudar a matéria escura, permitindo que os cientistas compreendam sua distribuição por meio do desvio da luz de fundo;
  • A CMB é uma fonte de luz ideal para investigar as lentes gravitacionais da matéria escura em todo o Universo.

Segundo o Space.com, a nova análise dos dados da câmera SPT-3G oferece mais evidências de apoio à teoria da relatividade geral de Einstein. A distribuição da matéria escura é essencial para entender sua natureza e seu papel na formação do Universo.

Desenvolvimentos futuros e mistérios cósmicos

Futuros resultados da câmera podem contribuir para o estudo de outro mistério cósmico: a natureza da energia escura, que impulsiona a expansão acelerada do Universo.

A análise dos dados da câmera é um trabalho meticuloso que leva anos, mas os resultados até agora são promissores. A equipe ainda está analisando cinco anos de dados adicionais.

Com cada adição de dados, os cientistas descobrem mais coisas que ainda não entendem, e a pesquisa continua revelando informações valiosas sobre os instrumentos e medições científicas do céu.