Pesquisadores da Lund University, na Suécia, concluíram que o cérebro humano processa as informações de forma diferente, dependendo de quem fala. Isso significa que podemos aprender com mais facilidade ao receber informações de alguém que gostamos.

Leia mais

Para analisar o que afeta a capacidade de aprender, a equipe realizou experiências onde os participantes precisaram lembrar e ligar diferentes objetos. Assim, os pesquisadores descobriram que a capacidade de lembrar e conectar informações através de eventos de aprendizagem foi influenciada por quem as apresentou.

Em outras palavras, quando uma pessoa de quem o participante do estudo gostava falava, conectar as informações foi mais fácil. Já quando elas vinham de alguém de quem o participante não gostava, o processo era mais difícil.

publicidade

Durante o experimento, os participantes forneceram definições individuais de “gosto” e “não gosto” com base em aspectos como opiniões políticas, formação, hábitos alimentares, esportes favoritos, hobbies e música. Os cientistas reconhecem que o estudo mostra “como fenômenos significativos podem ser parcialmente atribuídos aos princípios fundamentais que regem o funcionamento da nossa memória”.

Funcionamento do cérebro ainda é um enigma a ser desvendado

  • As descobertas foram detalhadas em estudo publicado na revista Communications Psychology.
  • Elas apontam que as pessoas estão mais inclinadas a formar novas conexões e atualizar conhecimentos a partir de informações apresentadas por indivíduos, organizações ou grupos a que somos favoráveis.
  • Isso porque essas informações tendem a se alinhar com as nossas crenças e ideias pré-existentes. 
  • Os pesquisadores querem entender como funcionam as raízes da polarização e da resistência a novos conhecimentos.
  • E também como influências externas podem fazer com que o cérebro processe as informações de maneira mais rápida ou eficiente.
  • Novos estudos são necessários para obtermos algumas dessas respostas.
  • Afinal, os próprios especialistas admitem que conhecemos muito pouco sobre o funcionamento do nosso próprio cérebro.