Parecia certo que o destino da antiga fábrica da Ford, em Camaçari (BA), iria para a montadora chinesa BYD. No entanto, enquanto as negociações para a venda acontecem, a propriedade pertence ao Governo da Bahia e, como se trata de patrimônio público, o local está aberto para propostas.

Flávio Figueiredo Assis, um dos sócios da montadora brasileira de EVs, a Lecar, aproveitou a deixa e fez uma oferta ao governo baiano. Assim como a chinesa, ele pretende construir uma montadora de carros elétricos no local. Agora, o destino da fábrica de Camaçari (BA) já não é mais tão certo.

Leia mais:

BYD vs. Lecar

A Lecar demonstrou interesse na fábrica da Ford em Camaçari (BA). Veja o que o sócio disse à colunista do UOL, Paula Gama:

publicidade

Um patrimônio público não se pode dar para quem quiser, e muito menos prometer, como o Governo da Bahia estava prometendo. Como o dinheiro é do povo, existem critérios para a venda, deve-se seguir o devido processo legal. Nesse caso, o Estado publicou o chamamento público e nós estamos interessados.

Flávio Figueiredo Assis, sócio da Lecar, em entrevista ao UOL

Assis revelou que soube que a fábrica ainda não tinha um negócio fechado quando a visitou, na busca por maquinário desativado da Ford, à venda. Ele decidiu entrar na disputa pelo local.

Em Camaçari (BA), a Lecar planeja construir carro elétrico “popular”: o Lecar Pop, que será o futuro carro-chefe da marca e chegará ao mercado por menos de R$ 100 mil (negócio mais atrativo do que o que a BYD oferece hoje).

Se o negócio avançar, a ideia é começar a construir na Bahia em junho de 2026. O investimento seria de R$ 6 a R$ 8 bilhões, gerando até 15 mil empregos. Em comparação, a planta da BYD espera gerar cinco mil empregos.

Lecar Model 459 (Imagem: Divulgação/Lecar)

Conheça a Lecar

Se a Lecar não te remete a nada, é porque ela é recente no mercado brasileiro. A empresa foi criada pelo ex-dono da empresa financeira Lecar, Flávio Assis, em 2022. A equipe de engenheiros é formada por profissionais com passagens por Nissan, Toyota e Ford.

A companhia já tem planos para abrir sua primeira planta em Flores da Cunha (RS), que será responsável pelo primeiro modelo da marca, o Model 459, sedã inspirado nos carros da Tesla.

Saiba mais de como será o modelo:

  • O Model 459 custará R$ 279 mil;
  • O modelo terá autonomia de 400 km e pode carregar até 80% em 25 minutos, se conectado a um carregador rápido;
  • Ele poderá acelerar até 100 km/h em sete segundos;
  • Segundo o UOL, ao menos 35% dos componentes serão de fornecedores chineses que já trabalham com Hyundai e Volkswagen. O restante virá de empresas brasileiras.

A expectativa é de começar a instalação da fábrica de Flores da Cunha (RS) no segundo semestre deste ano. Já no primeiro ano de fabricação, a Lecar quer produzir 300 veículos por mês, gerando 600 empregos.

Os principais mercados serão o da Grande São Paulo e cidades ao redor, como Campinas (SP) e São José dos Campos (SP).

Lecar Model 459 (Imagem: Divulgação/Lecar)

Como a Lecar vai competir com a BYD por Camaçari (BA)

Apesar de a BYD já ter até trocado os emblemas da fábrica de Camaçari (BA), a venda não foi concluída (a chinesa não se manifestou sobre o interesse da Lecar em competir pela propriedade). Em 31 de janeiro, o governo baiano publicou chamamento público para que outros interessados no imóvel enviassem propostas em até 30 dias.

Quando a Lecar entrou em contato, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado da Bahia (SDE) a orientou sobre como seguir.

O dono da companhia brasileira destacou a importância da fábrica e do maquinário da Ford na produção de carros elétricos da empresa. Ele falou sobre como os equipamentos estão conservados e agilizarão o fluxo.

Além disso, a Lecar pretende ter vantagem sobre a BYD no que diz respeito aos investimentos bilionários e número de empregos gerados, que superarão a chinesa.

Segundo a Folha de S.Paulo, a BYD já prepara nova proposta para superar a concorrentes. Ainda, pessoas ligadas à montadora chinesa acreditam que a Lecar não pretende seguir com o investimento e que o interesse não passa de jogada de marketing.