Uma grande “bateria de areia” futuramente vai aquecer o município de Pornainen, na Finlândia. O sistema é um tipo de armazém de energia térmica que utiliza areia. A expectativa é que a tecnologia possa suprir as demandas por aquecimento da região, eliminando o uso de petróleo e reduzindo as emissões de carbono.

O projeto está sendo desenvolvido pela startup Polar Night Energy, que planeja finalizar sua construção em um ano e um mês.

Como essa bateria de areia vai funcionar?

  • A bateria de areia usa o material como um condutor de calor, armazenando-o para posteriormente gerar energia.
  • O sistema da Polar Night Energy é um pouco diferente nesse sentido, já que substitui a areia por pedra-sabão triturada.
  • A ideia é transformar o excesso de eletricidade produzida por fontes eólicas e solares em energia térmica por meio de um processo chamado aquecimento resistivo.
  • Isso vai aquecer o ar, que será conduzido por tubos de transferência de calor até as pedras-sabão trituradas.
  • Esse ar quente armazenado poderá ser usado para aquecer as casas de Pornainen durante o inverno.

Leia mais:

Redução de emissões de carbono

A bateria de areia da Polar Night Energy terá 13 metros de altura e 15 metros de largura, com uma potência de aquecimento de 1 megawatt e capacidade de armazenar até 100 megawatts-hora de energia térmica. Isso é suficiente para aquecer toda a região de Pornainen e, consequentemente, reduzir as emissões de carbono do município.

publicidade

Segundo a startup, as emissões de dióxido de carbono devem ser reduzidas em 70% com o uso da tecnologia, já que eliminará a necessidade de petróleo e diminuirá aproximadamente 60% a queima de resíduos de madeira, como a serragem.

Alternativa mais barata e com menos impacto no meio ambiente

Em contraste com muitas opções de geração de energia prejudiciais ao meio ambiente, as baterias de areia representam uma alternativa promissora. Além de serem mais acessíveis, possuem um impacto ambiental menor e contribuem para a mitigação das mudanças climáticas.

Embora ainda existam desafios, como a perda de energia na conversão térmica, o potencial econômico e ambiental das baterias é animador.