O Airbnb anunciou na segunda-feira (11) novas políticas de privacidade que proíbem totalmente o uso de câmeras internas por anfitriões em suas locações. Segundo a empresa, câmeras externas também terão uso limitado, com a violação das novas regras resultando em penalidades — como ter seu anúncio removido do portal. 

O que você precisa saber: 

  • A decisão do Airbnb ocorre após anfitriões “extrapolarem” no uso das câmeras em locações devido ambiguidades na antiga política; 
  • Antes, as regras da empresa permitiam câmeras em espaços comuns, mas as proibia em áreas como quartos e banheiros — o que vinha acontecendo com frequência, já que hóspedes passaram a se atentar mais após alguns casos; 
  • Tecnicamente, os anfitriões deveriam divulgar quaisquer câmeras no local de aluguel, o que também não acontecia com fidelidade; 
  • Conforme a nova política, câmeras internas estão proibidas e as externas não podem apontar para ambientes internos ou estar em áreas com “maior expectativa de privacidade”, como chuveiros ou saunas; 
  • As novas regras entram em vigor em 30 de abril. 

Leia mais! 

Anfitriões também podem usar câmeras de campainha e monitores de decibéis de ruído, geralmente usados para controle do anfitrião sobre festas e visitas. No entanto, toda adição de dispositivo terá que obrigatoriamente ser divulgada — e os monitores só podem avaliar os níveis de decibéis, e não gravar ou enviar sons. O monitor também só pode ser instalado em espaços comuns. 

publicidade

Nosso objetivo era criar regras novas e claras que proporcionassem à nossa comunidade maior clareza sobre o que esperar do Airbnb. Estas alterações foram feitas em consulta com os nossos hóspedes, anfitriões e especialistas em privacidade, e continuaremos a procurar feedback para garantir que as nossas políticas funcionem para a nossa comunidade global. 

Chefe de Política Comunitária e Parcerias do Airbnb, Juniper Downs, em comunicado.

De acordo com o Airbnb, para os anfitriões terem tempo de adaptação, a nova política só entrará em vigor em 30 de abril. “Depois disso, as violações denunciadas desta política que nos sejam comunicadas serão investigadas e as medidas que tomarmos poderão incluir a listagem ou a remoção da conta.”