O avião da LATAM, que fazia rota entre Sydney (Austrália) e Santiago (Chile) e com escala em Auckland (Austrália), e que sofreu perda brusca de altitude durante o voo, realizado na segunda-feira (11), teria sido causado por uma comissária.

O The Wall Street Journal, aponta o g1, indicou que a investigação preliminar do incidente mostrou que um esbarrão da profissional no assento do piloto provocou o acionamento de controles que provocaram o ocorrido.

Vídeo relacionado

Leia mais:

Comissária causou incidente no avião? Entenda como teria sido

  • Segundo o periódico, enquanto servia a refeição para o piloto e o copiloto, a comissária teria esbarrado no assento do piloto;
  • Com isso, ela teria apertado um botão localizado no assento;
  • O piloto, então, teria sido empurrado pela frente e acionado os controles responsáveis por levar o nariz do avião para baixo;
  • O botão acionado pela comissária tem uma tampa e não deve ser acionado enquanto o piloto está sentado no assento.

Mas há um porém: especialistas indicam que só o mau uso do botão não explica o incidente, havendo lacunas a serem completas para entender como tudo aconteceu.

publicidade

O botão “culpado” só equipa o Boeing 787, exatamente o do voo LA800 que sofreu a queda brusca de altitude.

Por sua vez, a Latam disse estar colaborando com as autoridades:

publicidade

Em relação ao voo LA800, que operou a rota Sydney-Auckland em 11 de março, o LATAM Airlines Group informa que continua trabalhando em coordenação com as autoridades para apoiar a investigação e que não compete à LATAM comentar as especulações em torno do tema

LATAM, em nota à imprensa

Incidente aéreo

No voo LA800, estavam 263 passageiros e nove tripulantes. O incidente se deu entre Austrália e Nova Zelândia. A perda de altitude lançou pessoas ao teto da aeronave, informou a imprensa neozelandesa.

Testemunhas informaram haver manchas de sangue na cabine após o ocorrido. 13 pessoas (três da tripulação e dez passageiros; entre eles, dois brasileiros) foram levadas a um hospital, sem risco de morte, informou a LATAM.