A SpaceX tem estreitado as relações com o governo dos Estados Unidos nos últimos anos. E neste processo de aproximação, a empresa de Elon Musk estaria desenvolvendo uma rede de centenas de satélites espiões de baixa órbita para o Departamento de Defesa norte-americano.

Leia mais

Equipamentos fariam parte do programa Starshield (Imagem: Sundry Photography/Shutterstock)

Projeto Starshield, da SpaceX

De acordo com informações divulgadas por reportagem da Reuters, os equipamentos seriam capazes de rastrear alvos “inimigos” no solo. A rede de satélites espiões possibilitaria que a Casa Branca coletasse imagens em qualquer parte do planeta.

De acordo com uma fonte supostamente ligada ao programa e que preferiu não se identificar, nenhuma movimentação escaparia dos equipamentos.

publicidade

A SpaceX não confirmou oficialmente estar trabalhando no projeto. Já o governo dos EUA disse apenas que “o Escritório Nacional de Reconhecimento está desenvolvendo o sistema de inteligência, vigilância e reconhecimento espacial mais capaz, diversificado e resiliente que o mundo já viu”.

Lembrando que Elon Musk já afirmou que a rede Starlink, desenvolvida pela empresa, precisa ser civil. Em contrapartida, o programa Starshield, também da SpaceX, tem como objetivo o trabalho para fins governamentais e de segurança nacional. As informações são da Engadget.

SpaceX lança mais um satélite espião para o governo dos EUA
A rede de satélites espiões da SpaceX possibilitaria que os EUA rastreassem alvos em qualquer parte do planeta (Imagem: Twitter/SpaceX)

Relação com a Casa Branca

  • A SpaceX trabalha com organizações de segurança nacional dos EUA desde que era uma startup.
  • Pouco depois de Musk fundar a empresa, em 2002, ela ganhou um contrato de lançamento com um cliente de inteligência norte-americana não revelado.
  • Mais tarde, a empresa começou a atuar junto a agências militares e de espionagem.
  • Recentemente, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos entrou em contato com a SpaceX para sondar sobre o uso do foguete espacial Starship em missões militares.
  • Segundo um relatório da Aviation Week, o objetivo seria usar a tecnologia em operações consideradas perigosas ou sensíveis.
  • A crescente importância da companhia de Musk para o governo dos EUA ocorre em um momento de aumento das tensões geopolíticas e uma nova disputa espacial.
  • A China tem aumentado suas capacidades espaciais, enquanto a Rússia tem ambições de desenvolver uma arma nuclear baseada no espaço que possa ser usada para atingir satélites, segundo informações da Casa Branca.