Um ataque cibernético tirou do ar dois data centers da empresa CDK Global, fornecedora de sistemas para 15 mil revendas de veículos nos Estados Unidos. A ação dos hackers aconteceu na semana passada e, até agora, há problemas na operação dos estabelecimentos afetados.

Leia mais

publicidade
Homem andando por concessionária com carros populares a venda
Concessionárias de carros tiveram operações afetadas (Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Ataque de ransomware

  • A CDK Global oferece uma plataforma que engloba todos os aspectos da operação de uma concessionária de automóveis, incluindo financiamentos, folhas de pagamento, estoques, entre outros.
  • Para usar estes serviços, as concessionárias mantêm uma VPN sempre ativa, conectando-se com os data centers da empresa.
  • Com a identificação do ataque cibernético, a CDK desligou a maioria dos sistemas.
  • A companhia diz estar investigando o caso e trabalhando para retomar todas as operações o mais rápido possível.
  • Além de concessionárias norte-americanas, estabelecimentos do Canadá, que também são clientes da CDK, foram afetados pelo ataque hacker.
  • A hipótese principal é que tenha ocorrido um ataque de ransomware, um programa malicioso de extorsão capaz de bloquear o computador e criptografar arquivos.
CDK Global foi alvo de ataque cibernético (Imagem: BalkansCat/Shutterstock)

Ataque cibernético pode atrasar algumas entregas de veículos

Grandes empresas do setor automobilístico, incluindo Stellantis, Ford e BMW, confirmaram que o problema afetou alguns de seus revendedores, mas que as operações de vendas continuam. Vários destes estabelecimentos precisaram abandonar as operações digitais e retomar processos manuais para não deixar os clientes desassistidos.

Segundo as montadoras, isso pode causar alguns atrasos e outros inconvenientes para quem estiver comprando veículos neste momento. No entanto, as empresas garantem estar à disposição para minimizar os problemas enquanto o serviço não é restaurado.

publicidade

Várias concessionárias dos EUA também afirmaram que estão estudando alternativas para evitar novos ataques cibernéticos.