Conjunção entre Venus, Lua e Jupiter

Calendário astronômico de maio: veja quando ficar de olho no céu

Rafael Rigues 30/04/2020 16h04
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Neste mês não teremos uma superlua, mas teremos uma chuva de meteoros e o primeiro lançamento de uma missão tripulada da SpaceX

Comparado ao mês de abril, maio terá poucos eventos astronômicos. Haverá uma bela superlua no dia 7 (a “Lua das Flores”, como é chamada nos EUA) e várias conjunções da Lua com planetas como Saturno, Júpiter, Vênus e Marte, além de um grande evento feito pelo homem: o lançamento da Demo-2, primeira missão tripulada da SpaceX.


Veja a seguir nossa lista com os principais fenômenos do mês. Vale lembrar que todos os horários e direções mencionados neste artigo tem como base um observador em Brasília, e podem variar de acordo com sua localização no país.

5 de maio: pico da chuva de meteoros conhecida como Eta Aquáridas que, na verdade, começou a ocorrer em 19 de abril. Será possível observá-los a partir da 01:46 da manhã, quando o “radiante” (ponto de onde eles parecem sair) surgirá acima do horizonte, na constelação de Aquário. Mas será mais visível pouco antes do amanhecer. Normalmente, considerando condições ideais (céu limpo, local escuro e sem poluição luminosa) podem ser vistos cerca de 35 meteoros por hora, mas neste ano o brilho da superlua deve ofuscar os menos brilhantes, reduzindo a quantidade para cerca de 10 a 15 por hora.

Reprodução

7 de maio: está é a última de uma série de quatro superluas no ano, conhecida nos EUA como "flower moon" (Lua das Flores") devido às flores que desabrocham nesta época. Você não precisa de nenhum equipamento especial para observar a superlua. Bastam céus claros e uma boa visão do horizonte quando ela estiver surgindo (a partir das 18:28), já que o contraste com prédios e árvores faz com que ela pareça ainda maior. Olhe para o leste.

7 de maio: a SpaceX usará um foguete Falcon 9 para lançar mais 60 satélites da constelação Starlink ao espaço. O lançamento acontecerá às 08:30 da manhã (horário de Brasília) e deverá ser transmitido ao vivo no site da empresa. 

12 de maio: neste dia teremos duas conjunções da Lua com planetas. Em termos astronômicos, uma conjunção é quando dois ou mais corpos celestes aparecem perto uns dos outros no céu. Eles não estão realmente próximos, trata-se de uma “ilusão” causada por sua posição no céu em relação a nós. Ainda assim, é um belo fenômeno.

A primeira conjunção lunar da noite será com Júpiter, às 22:53, seguida por Saturno, a partir das 23:14. Em ambos os casos, olhe para o leste.

14 de maio: outra conjunção lunar, desta vez com Marte. O par será visível a partir das 00:40 até o amanhecer, por volta das 06:00. Olha para o leste.

18 de maio: desta vez a conjunção é entre dois planetas, Júpiter e Saturno. O par estará visível a partir das 22:50, quando surge no horizonte ao leste. O ponto máximo será às 04:42, na direção sul.

Reprodução

Astronautas da primeira missão tripulada da SpaceX em frente ao Tesla Model X que irá levá-los até o foguete.

27 de maio: lançamento da Demo-2, o primeiro voo tripulado da SpaceX com sua cápsula Crew Dragon, às 17:32 (horário de Brasília) com transmissão no site da empresa. Os astronautas Robert Behnken e Douglas Hurley, ambos veteranos de missões com os ônibus espaciais, serão levados por um Tesla Model X até um foguete Falcon 9 na plataforma A do Complexo de Lançamento 39 do Centro Espacial Kennedy, na Flórida. É a mesma plataforma de onde decolou a Apollo 11, primeira missão tripulada à Lua, em 1969.

A missão é importante não só porque será um feito histórico para a SpaceX (que poderá se tornar a primeira empresa privada a lançar astronautas ao espaço), mas também por uma questão de orgulho nacional: os EUA não lançam nenhum astronauta ao espaço a partir do próprio solo desde 8 de julho de 2011, quando o ônibus espacial Atlantis iniciou sua última missão, a STS-135. Desde então todos os astronautas em viagens à ISS, não importa a nacionalidade, viajaram a bordo de cápsulas russas Soyuz, lançadas de bases como Baikonur, no Cazaquistão.

Como se orientar

Para facilitar a orientação e saber em que direção olhar, é importante identificar os principais pontos cardeais. Para isso, você pode usar um velho truque ou um app em seu celular.

O velho truque é baseado numa frase que você deve ter aprendido na escola: “o sol nasce a leste e se põe a oeste”. Fique em pé e estique os braços, com o direito apontando para o nascente, e o esquerdo para o poente. Então você terá o leste à direita, o norte à frente, o oeste à esquerda e sul atrás de você.

Reprodução

Apps de bússola para Android (à esquerda) e iOS.

Quanto ao app, existem inúmeras opções. Quem usa um iPhone não precisa de um app extra, basta usar o “Bússola”, que é parte do iOS. Para Android minha recomendação é o “Apenas uma bússola”, da PixelProse SARL, que é bonito, simples, gratuito e, mais importante, sem anúncios.


espaço Ciência&Espaço exploração espacial
Compartilhe com seus seguidores
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você