Amazon, Alibaba e Mercado Livre podem disputar compra dos Correios

Empresas de e-commerce do Brasil podem estar em risco caso uma gigante norte-americana ou chinesa venha a competir vendendo os mesmos produtos

Nina Gattis, editado por Fabiana Rolfini 09/09/2020 08h43
Correios
A A A

Os funcionários dos Correios continuam em greve para garantir direitos, ao passo que o presidente Jair Bolsonaro segue no processo de privatização da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT). A estatal pode ser vendida a nomes de peso do segmento, como Amazon, Alibaba - grupo dono do AliExpress - e Mercado Livre.


Vale lembrar que os Correios desempenham um papel central no que diz respeito à logística do Brasil e, agora, mais do que nunca, para o e-commerce, já que o setor viu suas vendas aumentarem em meio à pandemia do coronavírus, contexto que também impossibilitou outros tipos de entregas - como as retiradas em lojas físicas - por conta do isolamento social.

"Por parte das empresas que estão tanto no mercado de entregas, a UPS dos Estados Unidos já manifestou interesse, quanto para as empresas que são gigantes do comércio eletrônico, como é o caso da Amazon, que domina o mercado, e a Alibaba, que é a principal empresa de comércio eletrônico na China", analisou Jonas Valente, doutor em Sociologia da Tecnologia, pesquisador e professor da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília (UnB).

Reprodução

Alibaba e Amazon. Imagem: BigTunaOnline/Shutterstock

A união entre a Amazon e o Alibaba para a compra dos Correios é um movimento especulado há algum tempo. No entanto, o portal especializado E-Commerce Brasil sugeriu que o Mercado Livre, fundado na Argentina, também já cogitou comprar a estatal.

Visto que o e-commerce brasileiro é dominado pelo Mercado Livre, Magazine Luiza, Via Varejo - responsável pelas redes de lojas Casas Bahia e Pontofrio - e B2W, fusão entre Americanas e Submarino, de acordo com Valente, "todas essas empresas brasileiras estariam em risco caso uma gigante norte-americana ou chinesa viesse competir vendendo os mesmos produtos".

A Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), revelou que os dados dos Correios mostraram que, no ano passado, 52% da receita da estatal foi fruto da entrega de encomendas, enquanto os 48% restantes correspondem ao monopólio postal de envio de cartas.

 

Via: Brasil de Fato


Confira em tempo real a COVID-19 no Brasil:



e-commerce Amazon mercado livre Alibaba correios AliExpress coronavirus pandemia
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você