Brasil ainda não atingiu pico da pandemia, diz OMS

Organização manifestou preocupação e pediu a solidariedade de outras nações; países do continente americano representam metade do ranking dos 10 países mais afetados pela Covid-19

Nina Gattis, editado por Matheus Luque 01/06/2020 17h39
OMS
A A A

O chefe de emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS), Mike Ryan, declarou em coletiva, nesta segunda-feira (1º), que ainda não é possível prever quando a América do Sul atingirá o pico da pandemia de coronavírus. "Não acho que chegamos no pico dessa transmissão e não posso dizer quando isso acontecerá", admitiu Ryan.


Por ora, a OMS disse que o mundo deve prestar solidariedade às Américas como um todo, que têm cinco dos 10 locais de maior transmissão da Covid-19 atualmente - com o Brasil, que teve o maior número de casos no mundo nas últimas 24 horas, liderando o ranking na América do Sul. "Os maiores aumentos vemos no Brasil, Colômbia, Chile, Peru, México, Haiti, Argentina e Bolívia", contou Ryan.

"Precisamos focar nosso trabalho em apoiar a América Central e Sul. Ninguém estará seguro até que todos estejam seguros", afirmou o chefe de emergências. "Há poucas semanas, o mundo estava preocupado com a Ásia e África. De uma certa forma, a situação é difícil. Mas nas Américas estamos longe da estabilidade", repetiu.

Reprodução

Mike Ryan, chefe de emergências da OMS. Imagem: AFP

Ryan ainda destacou a sobrecarga dos sistemas de saúde da região, que "estão sob pressão" depois que as Américas se transformaram em uma "zona de intensa transmissão do vírus".

O chefe de emergências também mencionou que alguns países estão atuando de forma correta, enquanto outros possuem falhas determinantes. "Tivemos respostas diferentes. Vemos bons exemplos de governos que adotaram uma estratégia ampla, dirigidos pela ciência. Em outras situações, vemos a ausência e fraqueza nisso", lembrou Ryan.

Vale ressaltar que, nos últimos sete dias, o número de novos casos da Covid-19 e mortes por coronavírus registrados pelo Brasil foi o mais expressivo no mundo, ainda maior do que nos Estados Unidos. De acordo com dados da OMS, neste período, o Brasil somou 6821 óbitos contra 6777 dos Estados Unidos. Quanto ao número de novos casos, o Brasil liderou com 151 mil e os Estados Unidos ficaram em segundo, com 141,4 mil.

Ainda assim, os Estados Unidos são o líder absoluto de casos e mortes no total, com 1,7 milhão de casos e mais de 106 mil óbitos. No Brasil, os registros marcam 519 mil casos e quase 30 mil mortes.

Protestos mundo afora

Em meio aos protestos que tem tomado as ruas, principalmente nos Estados Unidos, a OMS alertou para a possibilidade de uma "supertransmissão" em eventos como esses. "[A pandemia] não acabou ainda e o distanciamento continua sendo extremamente importante", reforçou Maria van Kerkhove, chefe técnica da OMS.

Reprodução

Protesto anti-racismo em Nova York. Imagem: AFP

A OMS insistiu em não citar nomes de países, visto que os Estados Unidos romperam com a organização na última sexta-feira (29). Porém, quando questionada sobre os protestos estadunidenses e o risco de uma disseminação ainda maior, a OMS manifestou preocupação.

Mesmo com a separação entre o país e a organização - que ainda não foi oficializada por Trump junto à OMS - Tedros Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, foi diplomático com os Estados Unidos, porque, segundo ele, o mundo foi amplamente beneficiado com os recursos estadunidenses. "Esse dinheiro fez muita diferença para o mundo", explicou Ghebreyesus. "O desejo da OMS é de que continuem", completou.

 

Via: Uol


Confira em tempo real a COVID-19 no Brasil:



Brasil estados unidos OMS protesto coronavirus covid19 pandemia
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você