Coronavírus

Fármaco ainda em testes pode bloquear ação do coronavírus, diz estudo

Victor Pinheiro, editado por Fabiana Rolfini 03/04/2020 14h12
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Pesquisa usou organoides reproduzidos em laboratório para observar como as células humanas são infectadas pelo vírus

Um estudo do Instituto de Bioengenharia da Catalunha (Ibec), na Espanha, identificou que um fármaco em fase de testes chamado hrsACE2 pode bloquear a ação do novo coronavírus em quadros iniciais da Covid-19. As informações são da agência de notícias espanhola EFE.


Com apoio de pesquisadores do Instituto Karolinska, da Suécia, da Academia Austríaca das Ciências e da Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá, a equipe de pesquisadores liderada por Núria Montserrat reproduziu réplicas reduzidas de rins humanos, desenvolvidas a partir de técnicas de bioengenharia.

Segundo Montserrat, os organoides simulam a complexidade de órgãos humanos reais. Eles serviram, principalmente, para os pesquisadores estudarem como o coronavírus infecta células renais e testarem a eficácia do hrsACE2.

Receptor ACE2

O experimento se baseou em publicações recentes que apontam que, para infectar uma célula, os coronavírus unem uma proteína denominada S a um receptor das células humanas chamado ACE2 (enzima conversora de angiotensina). Inclusive, este mesmo receptor é alvo de estudo no desenvolvimento de uma vacina oral contra o coronavírus.

Na sequência, o grupo de cientistas realizou testes que comprovaram que os organoides renais apresentavam grupos de células com expressão do receptor ACE2 de forma semelhante ao órgão humano real.

De acordo com Montserrat, o mesmo receptor também está nos pulmões, no coração, nos vasos sanguíneos e no intestino, o que pode ser uma das razões porque, além de problemas respiratórios, a Covid-19 provoca disfunções em múltiplos órgãos.

Reprodução

Após detectar a presença do ACE2 nos mini-rins, o estudo trabalhou para infectar os organoides com o novo coronavírus. O objetivo foi compreender o papel do receptor e observar como eles agem durante infecção. Com base nesses novos conhecimentos, a etapa seguinte tratou de investigar métodos para evitar a ligação entre a proteína S e o receptor estudado.

Os pesquisadores testaram diferentes soluções terapêuticas e observaram que o hrsACE2 inibe significativa as infecções do agente causador da Covid-19. Para Montserrat, as “descobertas são promissoras como tratamento capaz de travar a infecção precoce deste novo coronavírus”. O fármaco já passou por testes clínicos em voluntários saudáveis e pacientes com síndrome de dificuldade respiratória aguda (SDRA).

Fonte: UOL/EFE


Confira em tempo real a COVID-19 no Brasil:



coronavirus infecção covid19 testes células
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você