Pesquisadores determinam como um vírus se espalha em um avião

Probabilidade de contato com um doente é menor para os passageiros sentados nas janelas. Mas geralmente, risco de infecção só é alto para os passageiros na mesma fileira, ou adjacentes, do doente

Rafael Rigues 29/01/2020 09h19
Vírus
A A A

Durante epidemias virais, como no caso do novo coronavírus, o transporte aéreo se torna um grande risco. Tanto pela possibilidade de levar rapidamente uma pessoa infectada para o outro lado do mundo em poucas horas, muitas vezes antes que ela desenvolva sintomas claros da doença, como também pela possibilidade de que esta pessoa contamine outros passageiros nas proximidades.


Para determinar a possibilidade de contaminação dos passageiros, e as melhores práticas para evitá-la, em 2018 a "Equipe de pesquisa FlyHealthy" observou o comportamento de passageiros e tripulantes em 10 voos transcontinentais partindo dos EUA, com cerca de três horas e meia à cinco horas de duração.

Liderada por Vicki Stover Hertzberg e Howard Weiss, da Emory University, a equipe não apenas analisou como as pessoas se moviam na cabine, mas também como isso afetava o número e a duração de seus contatos com outros passageiros. A equipe queria estimar quantos encontros próximos poderiam permitir a transmissão durante voos transcontinentais.

"Suponha que você esteja sentado em um corredor ou em um assento do meio e eu vá até o banheiro", diz Weiss, professor de biologia e matemática da Penn State University. "Entraremos em contato próximo, o que significa que estaremos a menos de um metro de distância. Se eu estiver infectado, posso transmitir a doença a você. Nosso estudo foi o primeiro a quantificar isso".

Como o estudo revelou, a maioria dos passageiros deixou o assento em algum momento - geralmente para usar o banheiro ou checar os compartimentos superiores - durante os voos. No geral, 38% dos passageiros deixaram seus lugares uma vez e 24% mais de uma vez. Outros 38% das pessoas permaneceram em seus assentos durante todo o voo.

Essa atividade ajuda a identificar os lugares mais seguros para se sentar. Os passageiros com menor probabilidade de se levantar estavam em assentos nas janelas: apenas 43% se movimentavam, contra 80% das pessoas sentadas no corredor.

Consequentemente, os passageiros dos assentos nas janelas tiveram muito menos encontros próximos do que as pessoas em outros assentos, com média de 12 contatos em comparação com os 58 e 64 contatos dos passageiros nos assentos do meio e do corredor.

A escolha de um assento na janela e a permanência no local reduzem claramente a probabilidade de entrar em contato com uma doença infecciosa. Mas o modelo da equipe mostra que os passageiros nos assentos do meio e do corredor também têm uma probabilidade bastante baixa de serem infectados. Weiss diz que é porque a maioria das pessoas de contato em aviões é relativamente curta.

"Se você estiver sentado em um corredor, certamente haverá muitas pessoas passando por você, mas elas se moverão rapidamente", diz Weiss. "Em conjunto, o que mostramos é uma probabilidade de transmissão bastante baixa para qualquer passageiro em particular".

O risco de infecção só é alto para os passageiros na mesma fileira do doente, ou nas fileiras diretamente adjacentes. Isso porque seu tempo de exposição é muito maior do que o de outros passageiros.

A história muda se a pessoa doente é um membro da tripulação. Como os comissários de bordo passam muito mais tempo andando pelo corredor e interagindo com os passageiros, é provável que tenham encontros adicionais - e mais longos. Como o estudo afirmou, um membro da tripulação doente tem uma probabilidade de infectar 4,6 passageiros, "portanto, é imperativo que os comissários de bordo não voem quando estão doentes".

Weiss ressalta que ainda não sabemos a principal maneira de transmissão do novo coronavírus. Pode ser principalmente através de gotículas respiratórias, contato físico com saliva, seguido pelo consumo oral de material viral, ou talvez até aerossóis, minúsculas partículas secas no ar.

Ele observa que esse modelo não inclui a transmissão de aerossóis, embora a equipe do FlyHealthy espere pesquisar esse tópico no futuro. No estudo, os pesquisadores também alertam que seu modelo não pode ser extrapolado diretamente para voos de longa duração ou aviões com mais de um corredor.

Emily Landon, diretora médica de administração de antimicrobianos e controle de infecções do departamento de medicina da Universidade de Chicago, concorda que ainda não sabemos exatamente como o novo coronavírus é transmitido, mas acredita que os resultados do estudo são aplicáveis. Todos os coronavírus anteriores foram transmitidos através de gotículas, ela observa, por isso seria incomum se esse novo patógeno fosse diferente.

Com tudo isso em mente, Landon sugere seguir as orientações do CDC (Center for Disease Control - Centro para Controle de Doenças) para doenças infecciosas quando você estiver em um avião.

Isso inclui lavar as mãos com sabão comum ou usar um desinfetante para as mãos à base de álcool depois de tocar em qualquer superfície - especialmente porque há evidências de que o coronavírus dura mais tempo em superfícies do que outras doenças, em torno de três a 12 horas. Você também deve evitar de qualquer forma tocar seu rosto e entrar em contato com passageiros que tossem.

Fonte: National Geographic



Confira em tempo real a COVID-19 no Brasil:



Saúde Medicina Vírus avião transporte aéreo coronavirus
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você