projekt melody

Esta 'camgirl' virtual inspirada em animes rouba a audiência de mulheres reais

Renato Santino 21/02/2020 22h00
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Projekt Melody é uma modelagem em 3D de um artista que já atrai uma legião de fãs na internet

A tecnologia vai fazer com que muitas profissões se tornem obsoletas ao longo dos próximos anos. Isso é um fato. Funções repetitivas e mecânicas são cada vez mais substituíveis por softwares e algoritmos, e isso pode afetar até mesmo algumas profissões inusitadas. Uma figura chamada Melody está mexendo com uma indústria que tende a sofrer pouco com a substituição da força humana em favor da máquina: a da pornografia.


Melody é uma camgirl, que transmite atos sexuais pela internet para quem se interessa em assistir, muitas vezes pagando pelo acesso à transmissão, reunindo mais de 10 mil espectadores simultâneos. No entanto, Melody tem pouco a ver com uma mulher comum: ela não é de carne e osso. Ela é apenas uma personagem animada e modelada em 3D, inspirada nos desenhos animados japoneses, os animes. Mais especificamente, ela se enquadra na categoria “hentai”, que são as animações e mangás com conteúdo pornográfico explícito.

Existe um público para isso e, ao que tudo indica até o momento, ele não é nem um pouco pequeno. O Projekt Melody (que é o nome completo da personagem), vai muito além das transmissões em sites adultos. Ela é um projeto transmídia, com presença no Twitter, no YouTube e outras páginas.

Um de seus vídeos no YouTube, no qual a personagem realiza uma apresentação discutindo se o hentai é uma forma de arte ou não, já reuniu mais de 200 mil visualizações, e o canal já tem mais de 60 mil inscritos. Seu perfil no Twitter já acumula mais de 130 mil seguidores e ela conta com um Patreon, que, enquanto texto é escrito, acumula 2.865 assinantes que ativamente pagam para ter acesso a material exclusivo, que incluem fotos (ilustrações), vídeos, textos e links.

Obviamente, Melody tem algumas pessoas por trás para fazer essa máquina girar. Ela é um projeto de um animador identificado como Digitrevx e provavelmente outros parceiros para manter essa presença online. No entanto, os detalhes por trás dessa operação são mantidos propositalmente em sigilo. Quando jornalistas pedem uma entrevista com os autores do Projekt Melody, eles são orientados a falar diretamente com a personagem, ou, para ser mais claro, alguém respondendo às perguntas em seu nome.

Sem sair do personagem, a maior parte das respostas sobre sua origem são ficção. Ela diz ser um robô com inteligência artificial que foi infectado por anúncios maliciosos de sites pornográficos e acabou ganhando consciência e desenvolvendo interesse pela sexualidade. À Vice, ela insiste em dizer que não é uma marionete virtual e que não tem um criador.

Uma das poucas informações de bastidores que os autores oferecem é que Melody funciona com base na Unity, um motor gráfico bastante usado no desenvolvimento de videogames. Digitrevx diz que suas ações são renderizadas em tempo real, então todo os movimentos corporais e faciais, assim como sua voz, não são pré-programados, de forma a manter uma interação mais natural com seus espectadores. Ele também admite ter dado início à ideia ainda em 2019, quando Melody começou a publicar no seu Twitter ainda posando como uma inteligência artificial quebrada interessada em obter um corpo físico, incapaz de se articular muito bem no idioma inglês. Aos poucos, a personagem começou a desenvolver sua capacidade de comunicação, como normalmente acontece com IAs, que costumam melhorar com tempo e treino, além de, claro, ampliar seu interesse pelo sexo.

Cultura das waifus

O fato de Melody acumular tantos seguidores não é surpresa para quem costuma acompanhar mais de perto a cultura que envolve jogos, quadrinhos e animações japoneses. Dentro dessas comunidades, está muito presente a ideia da “waifu”, uma palavra que se origina do termo em inglês “wife”, e que significa “esposa” em português.

Para muitos, trata-se de uma brincadeira, que normalmente envolve reconhecer que uma personagem animada é atraente. É algo especialmente comum em jogos que contenham a opção de desenvolver relacionamentos amorosos, como é o caso de séries como “Fire Emblem” ou “Persona” e especialmente. São frequentes as publicações em fóruns discutindo qual é a “melhor waifu” de um determinado game, gerando discussões sobre quais são as personagens mais bonitas ou interessantes.

Isso pode se manifestar de formas menos saudáveis, no entanto. Existem casos de pessoas que realmente se apaixonam por mulheres da ficção, chegando ao ponto de encenarem casamentos com travesseiros ou hologramas de suas personagens preferidas, o que demonstra uma incapacidade ou falta de interesse de se envolver com pessoas de carne e osso.

Experiências de realidade virtual que simulam a vida em casal com uma personagem de anime também não são incomuns. Alguns pendem para o lado mais inocente da relação, enquanto outros tendem a ser mais explícitos em relação ao sexo, mas a ideia é sempre a mesma: criar uma relação com um personagem animado.

É exatamente esse público que o Projekt Melody quer atender. Se há pessoas que desenvolvem laços afetivos e interesse sexual por personagens de anime e pornografia hentai já existe há décadas, o próximo passo é criar uma personagem capaz de interagir sexualmente com seus fãs.

Virulência dos fãs

Como mencionado acima, existe um culto das waifus, e muitas vezes essa situação pode passar do limite do que é saudável. No caso do Projekt Melody, muitos de seus fãs aproveitam sua apreciação pelo avatar digital atacando as mulheres reais, de carne e osso.

Basta olhar os comentários das publicações de Melody de YouTube para observar a forma maldosa e carregada de desprezo com a qual alguns de seus fãs usam para se referir a mulheres reais. O termo mais comum na página de comentários é “thot”, palavra de cunho pejorativo que é, na verdade, uma sigla para “aquela vadia ali”, em uma tradução livre.

Em entrevista à Wired, jyl5555, como se identifica um dos moderadores do subreddit oficial do Projekt Melody no Reddit, admite que boa parte da base de fãs da personagem é formada por “incels” (abreviação em inglês para “celibatários involuntários”), que acumulam uma boa dose de frustração sexual que acaba se transformando em misoginia, o que se reflete na forma como os seguidores de Melody atacam mulheres humanas para valorizar a personagem e assediam outras camgirls que criticam o projeto.

Esse tipo de comportamento ocasionalmente acaba se traduzindo em violência física. O atentado a tiros em uma escola na cidade de Suzano, no ano passado, teve seu ataque celebrado em fóruns da deep web que reúnem pessoas que se identificam como “incel”. Da mesma forma, o atirador de Realengo, em 2011, também é classificado como tal. Não há qualquer caso de violência ligado ao Projekt Melody, mas boa parte dos ingredientes estão lá.


Pornografia adulto adultos anime
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você