Pirataria IPTV

Grupo australiano solicita a retirada de conteúdo pirata do Google

Luiz Nogueira, editado por Cesar Schaeffer 24/02/2020 18h20
Compartilhe com seus seguidores
A A A

O Creative Content Australia solicita ao governo que force empresas como Google e Facebook a remover conteúdo que viole direitos autorais

Para combater o que chamam de "viveiro de pirataria", o Creative Content Australia, um grupo criado para defender a propriedade intelectual, solicita ao governo que force as plataformas online a deixar de facilitar o acesso a conteúdos que prejudicam os produtores de conteúdo.


De acordo com o presidente do grupo, Graham Burke, Google e Facebook devem impedir que esses sites atuem, pois, além de prejudicar a indústria do entretenimento, esses endereços enganam o público, propagando malware e roubando dados sensíveis.

Muitas pessoas vinculam a pirataria na Austrália à demora para a liberação de conteúdo e os preços altos. No entanto, Burke aponta que o principal responsável por isso é o Google. Ele aponta que o buscador facilita o acesso a sites piratas, o que acaba por criar essa grande rede de compartilhamento. 

O Creative Content Australia reúne empresas do segmento do entretenimento e, nos últimos anos, apoiou diversas medidas antipirataria mais amplas, como o bloqueio de sites. No entanto, eles acreditam que ainda há muito que ser feito. Em particular, apontam para o papel importante que os intermediários, como o mecanismo de pesquisa do Google, desempenham na disseminação de conteúdo pirata.

Anteriormente, o governo australiano destacou a responsabilidade dos serviços online em conter a pirataria, mas, apesar das supostas mudanças realizadas, os detentores de direitos autorais dizem ter notado poucas alterações.

Para o grupo, os mecanismos de busca não estão assumindo responsabilidade suficiente. Portanto, a solicitação é de intervenção para garantir que sites que apresentem esse tipo de conteúdo sejam impedidos de serem encontrados por meio de plataformas de terceiros.

O apelo, obviamente, visa os interesses financeiros de seus membros. No entanto, eles enfatizam que os sites piratas representam um perigo para o público, com os riscos de malware e outras atividades com as quais os usuários podem se deparar. Burke reitera que esses endereços podem roubar detalhes do cartão de crédito de alguém e esvaziar sua conta bancária.

Essas acusações podem ser um pouco exageradas. Embora certamente existam sites fraudulentos, não há registro de sites piratas que roubam informações e dinheiro das pessoas. Claro que, mesmo que não se tenha registro, não há como afirmar com certeza de que eles não existam. Somente o tempo dirá se a pressão colocada sobre o governo australiano terá algum efeito.

Via: Torrent Freak

Google Pirataria Facebook Austrália antipirataria
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você