Satélite

Guerra no espaço: satélites militares terão armas e lasers

Bruna Lima, editado por Rafael Rigues 29/07/2019 11h02
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Os franceses afirmam estarem se preparando para garantirem seu território no espaço usando armas espaciais de autodefesa

Em setembro do ano passado, o governo francês acusou a Rússia de "ato de espionagem espacial", quando um satélite de inteligência de Moscou, Luch-Olymp, foi direcionado para "muito perto" de um satélite de comunicações da França, Athena-Fidus. "Chegou tão perto", teria dito o ministro das Forças Armadas da França, Florence Parly, " que poderíamos ter imaginado que estava tentando interceptar nossas comunicações. Tentar ouvir seus vizinhos não é apenas hostil, é um ato de espionagem".


Na semana passada, foi anunciada por Parly uma nova "estratégia de defesa espacial" na base de operações aérea francesa Lyon-Mont Verdun. "Ter uma defesa espacial reforçada é absolutamente essencial", disse ele, "é nossa liberdade de apreciação, acesso e ação no espaço que está em jogo". A revista Le Point, da França, relatou que, no verão de 2019, o espaço se tornou "um campo de ação".

O ministro da Defesa da França, Jean-Yves Le Drian, descreveu um cenário com câmeras, metralhadoras e lasers em "satélites sensíveis", capazes de observar as ameaças e depois revidar. "Isso pode ser alcançado por metralhadoras ou lasers capazes de destruir os painéis solares de um satélite inimigo", afirmou. O ministro também disse que quer ver enxames de nano satélites em órbita baixa "colocados em torno dos objetos mais estratégicos".

No início de julho, o presidente da França, Emmanuel Macron, anunciou a criação de um "Comando Espacial", essencialmente expandindo o mandato da Força Aérea do país. "A nova doutrina espacial militar garante nossa defesa do espaço usando armas espaciais".

De acordo com Florence Parly, "a defesa ativa não é uma estratégia ofensiva - é autodefesa. Quando um ato hostil é identificado, é aceitável dentro do direito internacional responder de maneira apropriada e proporcional.

A Dra. Laura Grego, porta-voz da União de Cientistas Preocupados, respondeu à diretriz do Comando Espacial dos EUA advertindo que "o presidente Trump chamou o espaço de um novo domínio de combate - precisamos cuidar do espaço. Há maneiras muito melhores de proteger os satélites. A segurança espacial não pode ser alcançada unilateralmente ou exclusivamente por meios militares. Ela requer cooperação com outras nações exploradoras do espaço. Isso significa diplomacia".

Cinquenta anos depois do pouso na Lua, a atitude francesa sugere que - apesar de todos esses alertas - estamos agora prestes a presenciar uma corrida espacial de um tipo muito diferente.

Via: Forbes

Satélites espaço armas França
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você