Novo software engana reconhecimento facial em fotos

Fawkes embaralha os pixels das fotos, dificultando o trabalho de inteligências artificiais ou algoritmos; em testes, a ferramenta despistou os algoritmos da Microsoft e Amazon

Da Redação, editado por Fabiana Rolfini 16/08/2020 17h30
Reconhecimento facial
A A A

Engenheiros de computação da Universidade de Chicago, Estados Unidos, desenvolveram uma ferramenta que inibe o reconhecimento facial. O objetivo é garantir a privacidade das pessoas, já que diversas empresas utilizam fotos da internet para fortalecer seus algoritmos e inteligências artificiais, afim de contruir bancos de dados sem autorização.


O projeto tem o nome de Fawkes, em referência a Guy Fawkes, "dono" da máscara característica de manifestantes espalhados pelo mundo. O software promete auxiliar pessoas, de todas as idades, a se manterem seguros e longe da invasão de privacidade proporcionada pelo reconhecimento facial.

A ferramenta foi disponibilizada em um site criado pelos pesquisadores, mas apenas para desenvolvedores de sistemas. Os idealizadores seguem estudando formas de construir um aplicativo gratuito, para que todos consigam acessar e utilizar sem dificuldade.

A alteração dos pixels acontece de forma muito sutíl. O sistema embaralha alguns píxels cruciais para que o reconhecimento facial aconteça. Em testes realizados pelos desenvolvedores, a ferramenta despistou os algoritmos da Microsoft e Amazon.

 

Fawkes.jpgFotos originais (esq.) foram levemente modificadas com o Fawkes (dir.). Créditos: Universidade de Chicago

Identidades reveladas

A startup americana Clearview AI foi a principal motivação para a criação do Fawkes. A empresa apanhou bilhões de fotos espalhadas pela internet, a fim de criar um mecanismo que ajudasse a polícia. Tal ferramenta analisa as fotos contidas no banco de dados e procura uma conta do Facebook vinculada à elas, revelando a identidade das pessoas.

Diversas empresas já manifestaram seu descontentamento ao saber da existência de tal ferramenta. Twitter e Apple prontamente proibiram o uso do recurso em seus domínios. O Twitter exigiu publicamente, enquanto a Apple agiu com mais rigidez, removendo completamente o aplicativo da App Store. A empresa também reiterou que repudia qualquer uso de imagem não autorizado por seus usuários.

Algumas empresas privadas, até mesmo o FBI, foram flagradas utilizando a tecnologia da Clearview AI. Em documento vazado no início do ano, foram levantados cerca de 2.200 clientes dos mais variados seguimentos. 

Fonte: Estadão


Apple Twitter Tecnologia reconhecimento facial fotos
Assinar newsletter
Assine nossas newsletters e receba conteúdos em primeira mão
enviando dados - aguarde...
Parabéns! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Atenção: Em instantes você receberá um email de confirmação da assinatura. Para efetivá-la, clique no link de confirmação que você receberá. Verifique também sua caixa de SPAM, pois por se tratar de um email automático, seu servidor de emails poderá identificar incorretamente a mensagem como não solicitada.
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar a extensão Olhar Digital Ofertas em seu navegador!

Recomendados pra você