Smartphones

Qual operadora cuida melhor dos seus dados?

Liliane Nakagawa, editado por Daniel Junqueira 04/11/2019 22h00
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Objetivo é analisar as políticas de privacidade, proteção de dados e transparência dos provedores de acesso à internet no país.

Aparentemente, provedores de internet têm avançado no quesito respeito ao tratamento de dados dos usuários. Porém, segundo o diretor do InternetLab, Dennys Antonialli, o 'caminho para maior transparência ainda é longo'. 


Um projeto realizado pelo InternetLab em conjunto com a organização americana Electronic Frontier Foundation, lançou a pesquisa “Quem Defende Seus Dados” na semana passada. O objetivo é analisar as políticas de privacidade, proteção de dados e transparência dos provedores de acesso à internet no país.

Com base em categorias e parâmetros de avaliação capazes de mensurar o comprometimento público com a obediência à lei; adoção de práticas e posturas pró-usuário; e a transparência sobre as práticas e políticas, o estudo é inspirado no projeto estadunidense "Who Has Your Back?".

A pesquisa atinge empresas as quais tiveram, ao menos 1% do total de acessos à internet, segundo dados da Anatel. Desta forma, foram analisadas: Oi (banda larga fixa e móvel); Vivo (banda larga fixa e móvel), TIM (banda larga fixa e móvel), NET, Claro, Nextel, Algar e Sky.

Segundo Antonialli, "a ideia do projeto é justamente ser um estímulo para que essas empresas melhorem suas práticas", afirma. Assim, o que existe é uma espécie de 'competitividade saudável'. Em algumas categorias, ainda há falta de informações, como nos relatórios de transparência e notificações aos usuários quando seus dados são requisitados por autoridades administrativas ou judiciais.

Lei Geral de Proteção de Dados

Outro ponto abordado na pesquisa, é o da influência da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) na cultura das empresas, que já estão se mobilizando de forma mais ativa para que cumpram as determinações da lei, ainda que morosamente. Por enquanto, a entrada em vigor da lei se dará em agosto de 2020, caso não seja prorrogada, como prevê um projeto de lei em tramitação na Câmara dos Deputados.

“Espera-se que o momento sirva para disseminar a cultura de preservação de dados no Brasil. Dessa forma, a ANPD seria mais uma instância de mobilização para o fortalecimento dessa cultura de privacidade”, aponta Antonialli.

Resultados

Das operadoras analisadas, a Vivo é que apresenta, segundo o estudo, a maior transparência. O lado oposto é ocupado pela Nextel.

Outro ponto relevante da pesquisa é que nenhuma das operadoras notificam seus usuários sobre pedidos de dados requisitados pelas autoridades.

Na tabela abaixo é possível visualizar os resultados gerais da pesquisa por categorias. Mais informações sobre a metodologia e os resultados dos anos anteriores podem ser obtidas no site https://quemdefendeseusdados.org.br/pt/.

Reprodução

É possível também visualizar o estudo dos seguintes países:

Argentina | adcdigital.org.ar/qdtd

Brasil | quemdefendeseusdados.org.br

Chile | derechosdigitales.org/qdtd-2019

Colômbia | stats.karisma.org.co/demd

EUA | eff.org/who-has-your-back-2019

México | qdtd.mx

Panamá | bit.ly/qdsdpanama

Paraguai | qdtd2017.tedic.org

Peru | hiperderecho.org/qdtd2019

Via: Jota


Telefonia privacidade Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais telefonia móvel proteção de dados coleta de dados
Compartilhe com seus seguidores
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você