Twitter completa 10 anos sem medo das outras redes sociais

Ao mesmo tempo em que é uma rede social, o Twitter não compete com Facebook, Instagram e outros serviços semelhantes. Isso quem garante é o diretor de estratégias de expansão do Twitter no Brasil, Phillip Klien. Entusiasmado com o crescimento da rede no país na última década, o executivo afirma que a empresa observa com atenção o mercado Brasil para criar soluções que agradem os internautas brasileiros.

Em entrevista ao Olhar Digital, Klien fala sobre os acertos e erros da plataforma que completa 10 anos no dia 21/03, da inevitável migração para os smartphones, da concorrência com outros aplicativos e redes e também antecipa os focos da empresa para a próxima década. Confira a entrevista completa abaixo: 


Olhar Digital
: Em dez anos de Twitter no Brasil, quais foram os grandes acertos?

Phillip Klien: Caramba, 10 anos! É quase uma adolescência. É difícil avaliar os acertos. Nascemos de uma plataforma de SMS e hoje nosso foco mudou para os smartphones. Acredito que o maior acerto tenha sido manter nossa arquitetura aberta e em tempo real. O usuário do Twitter não precisa ter uma conta para interagir com a plataforma, basta acessar o site.

OD: E quais foram os erros?

Klien: Estamos sempre em constante mudança, sempre tentando nos adaptar ao sistema. Sobre um erro específico, acho que no passado não priorizamos a questão da usabilidade do usuário novo como deveríamos. O Jack (Dorsey, fundador da plataforma) costuma dizer que usar o Twitter é como andar de bicicleta. Na primeira vez é muito difícil, mas depois se torna uma experiência extremamente prazerosa. Queremos ajudar os novos usuários a embarcarem no Twitter. Queremos dar “rodinhas” para eles.

OD: Como você enxerga o crescimento do Twitter no Brasil?

Klien: Temos uma boa penetração aqui e a audiência brasileira é diferente de qualquer lugar do mundo. Aqui a maioria dos usuários são jovens, então nossas estratégias são pensadas para interagir com esse público que é um dos mais engajados do mundo. 

OD: É possível que o Twitter cresça no Brasil da mesma forma que cresceu nos Estados Unidos?

Klien: Vários indícios apontam o crescimento. É preciso lembrar que nos Estados Unidos a integração da plataforma com a televisão, por exemplo, é muito maior. Aqui ainda estamos começando a utilizar hashtags e exibir comentários em programas de televisão, como no Master Chef (reality show gastronômico da Band). O acesso à internet e a posse de smartphones lá também é maior, mas nossa presença no Brasil tem obtido crescimento.

OD: Pela possibilidade de não precisar criar uma conta para usar o Twitter, você teme que a rede social possa perder usuários?

Klien: Eu acho que é justamente o contrário. Antes você era obrigado a criar um usuário de acesso ao site no computador para interagir. Essa não é a melhor forma de engajar usuários. O Twitter tem o elemento da portabilidade. O conteúdo pode ser compartilhado em outras redes sociais, sites e até em transmissões televisivas. Acreditamos que a vontade dos usuários de responder algum tweet ou compartilhá-lo irá crescer naturalmente e isso fará com que ele se torne um futuro heavy user.

OD: Por falar em heavy user, como você vê a questão de que o Twitter é visto como uma rede social secundária e dominada por esse tipo de usuários?

Klien: Eu o classifico como uma rede de interesse. Ele tem arquitetura própria. Mais do que competir, ele complementa o uso das redes sociais. Você não precisa abrir mão de uma rede social A ou B para usar o Twitter.

OD: Então você diria que o Twitter não se sente ameaçado pelo crescimento de outras redes sociais?

Klien: Hoje nossa maior preocupação não são as redes sociais, mas os aplicativos de smartphones. Quanto mais tempo o usuário gasta com jogos e vendo sites pelo celular, menos será gasto no Twitter.

OD: Então o foco está nos smartphones?

Klien: São os dispositivos nos quais temos mais força. Apesar de estarmos nos adaptados às novas mídias, o telefone celular está sempre com o usuário e sempre conectado. Isso é imprescindível quando falamos em instantaneidade.

OD: Quais são os planos do Twitter para a próxima década?

Klien: Difícil pensar. Será que os smartphones sobrevivem até lá? O que podemos garantir é que o Twitter continuará com seu DNA próprio. A arquitetura digital não irá mudar, mas abraçará novas funções. O live streaming, por exemplo, é algo que estamos implementando desde a compra do Periscope e nossos usuários serão mais incentivados a interagirem com essa nova ferramenta. 

OD: E na relação com o Brasil, como o Twitter pretende evoluir nos próximos anos?

Klien: Eu fico muito feliz em falar disso porque tenho percebido que as reuniões em San Francisco (sede da empresa) consideram cada vez mais o público brasileiro nas mudanças da plataforma. Cada recurso pensado, cada novidade implementada vem com um “temperinho brasileiro” para agradar nossos usuários daqui.

Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.




RECOMENDADO PARA VOCÊ