Os desafios de fornecimento dos chips 5G enfrentados pela Apple podem forçar a empresa a adiar o lançamento de um iPhone com a nova conectividade para 2021. Isso é o que diz Timothy Arcuri, analista da UBS, que afirma que devido às brigas judiciais com a Qualcomm, a gigante de Cupertino fica dependente da Intel produzir o chip 5G, e isso pode demorar mais do que o esperado. 

O conflito entre a Apple e a Qualcomm começou em 2017, quando a empresa liderada por Tim Cook processou a produtora de chips por infração de patentes. O embate segue até hoje na justiça, com a Apple condenada por júri a pagar US$ 31 milhões de multa. Portanto, nem é preciso dizer que a Qualcomm não quer mais fazer negócios com a empresa do iPhone. 

Consequentemente, Arcuri acredita que há um “potencial crescente de que a Apple pode não ser capaz de lançar um iPhone 5G para 2020”, como inicialmente se acreditava. Se essa previsão se concretizar, a Apple pode estar em grandes apuros.

A empresa nunca foi muito rápida em adotar novas conexões, o 3G e o 4G LTE demoraram a serem adicionados ao iPhone, mas essa era uma época que a Apple apresentava muita vantagem sobre aparelhos Android. Agora já não é mais assim. 

publicidade

Com a queda de vendas do iPhone e o constante aumento da popularidade do Android, principalmente com as marcas chinesas Huawei e Xiaomi expandindo seu público mundialmente, a Apple precisa urgentemente de uma nova tecnologia capaz de tornar o seu dispositivo um concorrente de peso.

Porém, até agora, não recebemos qualquer posicionamento da Intel sobre o lançamento de um chip 5G em algum futuro próximo, uma parceria com a Mediatek é muito improvável e, apesar dos rumores sobre a própria Apple estar produzindo o chip terem surgido, não têm nenhum indício de serem verdade, muito menos de ficarem prontos antes de 2020.

Seguindo esse pensamento, Matthew Ramsay, analista da Cown, disse o seguinte no mês passado:

A primeira opção da Apple, Cowen escreveu, é “lançar 18 meses após a competição 5G com um modem inferior da Intel provavelmente sem as capacidades da mmWave”, referindo-se à faixa de espectro que pode ser usada para comunicações sem fio de alta velocidade da 5G.

Outra opção seria “adquirir um modem 5G da Samsung, concorrente-chefe”, escreveu Cowen, acrescentando que isso provavelmente viria apenas em “termos comerciais difíceis”. Usar um modem 5G da Huawei está “fora da mesa como uma opção” Cowen disse aos clientes, enquanto “a MediaTek está muito atrasada em termos de cronograma”.

Pois é, a Apple se encontra no meio de uma verdadeira encruzilhada que pode resultar em grandes perdas financeiras para a empresa. 

 

Via: BGR