O Procon-SP acionou o Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania pedindo a instauração de um inquérito policial para investigar possíveis responsabilidades dos aplicativos iFood e Rappi em relação a golpes praticados por alguns entregadores.

Segundo a fundação, 35 reclamações foram registradas sobre crimes dos motoboys, como transações não reconhecidas ou não autorizadas pelos clientes.

publicidade

O golpe acontece no momento do pagamento, quando o entregador alega que é necessário pagar uma taxa adicional. O consumidor então desembolsa um valor falso em uma máquina com visor danificado. Dessa forma, sem conseguir conferir o valor cobrado, acabam pagando entre R$ 1 mil e R$ 5 mil. É importante ressaltar que essa taxa não existe e foi inventada pelos entregadores apenas para a realização do golpe.

Reprodução

Resposta das empresas

Após o Procon cobrar esclarecimento das empresas, tanto o iFood quanto o Rappi afirmaram não se responsabilizar por possíveis crimes de seus entregadores e que é dever do consumidor se atentar à inexistência da taxa adicional.

Porém, o Procon afirma que o Código de Defesa do Consumidor estabelece a responsabilidade solidária do fornecedor pela ação dos representantes autônomos. Dessa forma, caberia aos aplicativos o ressarcimento dos valores.

Via: O Estado de S.Paulo