EnglishPortugueseSpanish
publicidade

A China ultimamente tem aumentado seu investimento na exploração do espaço e órbita terrestre. Na quinta-feira (6), o país lançou seu novo satélite de observação da Terra, acompanhado de um pequeno satélite desenvolvido pela Universidade de Tsinghua. O foguete Long March 2D decolou de Jiuquan às 12h01 no horário local.

O equipamento principal, um Gaofen 9, é um satélite de observação óptica capaz de registrar imagens de alta resolução de objetos de um metro de largura. Os dados coletados vão ser usados para pesquisas de terras, planejamento de cidades, confirmação dos direitos de terra, projeto da rede de rodovias, estimativa de rendimento de culturas e prevenção e mitigação de desastres.

publicidade

O equipamento se junta aos anteriores para formar um conjunto de observação do planeta como parte do Sistema de Observação da Terra de Alta Resolução.

Já o “carona” era um Q-Sat, um satélite científico de gravidade e atmosfera. O projeto tem como objetivo verificar a tecnologia e medir a densidade atmosférica, além de coletar dados do campo gravitacional.

Foguete-china.jpgFoguete usado foi o Long March 5B. Foto: CASC

Este lançamento foi o de número 22 realizado pela China neste ano, contabilizando três fracassos. Um dos mais impactantes foi o do foguete Long March 5B que está a caminho de Marte. Para este ano, a Corporação Aeroespacial de Ciência e Tecnologia da China (Casc) pretende fazer 40 lançamentos. Nos últimos dois anos, o país liderou o mundo em lançamentos, com 39 em 2018 e 34 no ano seguinte.

publicidade

Dois foguetes em três dias

A China está acelerando o ritmo de seu programa espacial. O país realizou recentemente dois lançamentos em três dias, partindo de duas bases diferentes e colocando em órbita três satélites.

O primeiro lançamento ocorreu na última sexta-feira (3), quando um foguete Longa Marcha 4B decolou do centro de lançamento de satélites de Taiyuan, na província de Shanxi. A bordo estavam dois satélites: um chamado Gaofen, projetado para sensoreamento remoto com fins civis, e outro chamado Xibaipo, criado para popularizar o espaço entre os jovens.

Via: Space