Nesta segunda-feira (14), a Federal Trade Commission (FTC), dos Estados Unidos, anunciou a abertura de um novo inquérito judicial sobre práticas de privacidade contra plataformas de redes sociais e gigantes ligadas à tecnologia.

O processo envolve empresas como Facebook, Amazon, ByteDance — controladora do TikTok —, Discord, Reddit, Snap, Twitter, WhatsApp e YouTube.

publicidade

A FTC exigirá que as companhias informem como coletam e utilizam dados fornecidos pelos usuários, como as informações pessoais determinam os anúncios e conteúdos para cada indivíduo, e se aplicam algoritmos ou análise de dados às informações coletadas.

A investigação foi aprovada pela comissão por 4 votos a 1. “Esses produtos digitais podem ter sido lançados com o simples objetivo de conectar pessoas ou estimular a criatividade. Mas, nas décadas seguintes, o modelo da indústria foi alterado, do apoio às atividades dos usuários para a monetização”, disseram três comissários da FTC que votaram pela aprovação do pedido.

Fachada da Federal Trade Commission
Federal Trade Commission (FTC) quer fiscalizar práticas de privacidade de redes sociais e empresas ligadas à tecnologia. Foto: Ian Hutchinson/Unsplash

O inquérito aberto pela FTC faz parte de uma grande ação investigativa do órgão e não serve a propósitos específicos de aplicação da lei.

No entanto, a FTC poderá exigir ações de fiscalização mais duras caso encontre práticas ilícitas durante as apurações.

As companhias terão cerca de 45 dias para responderem ao inquérito.

Outros casos recentes

Na semana passada, a FTC e 48 estados norte-americanos processaram o Facebook e exigiram que a empresa de Mark Zuckerberg se desfaça do WhatsApp e Instagram.

De acordo com a ação, as aquisições do Facebook ferem as regras de competitividade do mercado e impedem inovações no setor.

Aplicativo Facebook
Na semana passada, a empresa de Mark Zuckerberg foi processada pelo FTC e 48 estados norte-americanos. Foto: Brett Jordan/Unsplash

Em fevereiro, a FTC também resolveu investigar as compras da Apple, Microsoft, Facebook, Amazon e Alphabet — controladora do Google.

O objetivo era averiguar se as gigantes exerceram alguma prática anticompetitiva ao absorver as companhias concorrentes.

Via: The Verge