EnglishPortugueseSpanish

O Google está tentando resolver a questão da remuneração às agências de notícias na Europa, mas o tiro pode sair pela culatra, ao menos na França. Em um acordo confidencial, a empresa concordou em pagar US$ 76 milhões ao longo de três anos a um grupo de editoras de notícias francesas – um acordo que o sindicato da categoria considerou injusto.

Os documentos, vistos pela Reuters, incluem um acordo que estipula que o Google está pronto para pagar US$ 22 milhões anuais no total a um grupo de 121 publicações de notícias da França, e outros US$ 10 milhões para encerrar todos os litígios presentes e futuros vinculados a reivindicações de direitos autorais.

publicidade

“Esses acordos não garantem o tratamento justo de todos os editores, uma vez que a fórmula de cálculo não foi tornada pública”, publicou em nota o Spiil, o sindicato dos editores de notícias online independentes da França. A entidade lamentou que a categoria não tenha se unido nas negociações. “O Google aproveitou nossas divisões para promover seus interesses”, completou.

Para receber uma parte dos US$ 22 milhões que serão divididos entre as publicações, cada organização da França será obrigada a assinar um contrato de licenciamento individual com o Google. O jornal francês Le Monde receberá US$ 1,3 milhão – o valor mais alto da lista – enquanto o jornal local La Voix de la Haute Marne recebe a menor fatia, US$ 13.741.  

Sob os termos do acordo, os membros do grupo também se comprometem a alimentar o novo produto do Google, o Google News Showcase, um novo serviço que permite aos editores parceiros fazer a curadoria do conteúdo e fornecer acesso limitado a notícias com acesso pago.

Em vários países, o Google está sendo cobrado por utilizar notícias de veículos de mídia sem repassar parte do faturamento. Imagem: Shutterstock

Apoio da Microsoft

A União Europeia pretende seguir o exemplo da Austrália e exigir, por meio de lei, que as plataformas de tecnologia como Google e Facebook paguem para exibir notícias provenientes da mídia. O país da Oceania alega que as empresas possuem amplo domínio dos conteúdos disseminados na internet, incluindo as notícias.

publicidade

Isso faz com que elas aumentem cada vez mais suas receitas publicitárias e enfraqueçam a mídia local — tanto em exposição, quanto financeiramente. Em entrevista ao Finacial Times, o eurodeputado maltês Alex Saliba disse que a abordagem do governo australiano resolveu os “desequilíbrios agudos do poder de negociação” entre as plataformas de tecnologia e os editores de notícias.

Em um comunicado oficial, o presidente da Microsoft, Brad Smith, afirmou que a empresa “está comprometida com a Austrália e com os editores de notícias que são vitais para a democracia do país”. O executivo ainda afirmou que a empresa apoia a legislação australiana e colabora para propor soluções inovadoras.

“A Microsoft reconhece que o setor de mídia e o jornalismo de interesse público atualmente enfrentam muitos desafios da era digital, incluindo a mudança nos modelos de negócios e a evolução das preferências do consumidor”, afirma Smith. “O novo código tenta razoavelmente lidar com o desequilíbrio do poder de barganha entre as plataformas digitais e os negócios de notícias australianos”, completa.

Como não poderia deixar de ser, o executivo abre as portas do Bing para veículos que quiserem ser parceiros. “A Microsoft garantirá que as pequenas empresas que desejam transferir sua publicidade para o Bing o façam de forma simples e sem custos de transferência. Reconhecemos o papel importante que a publicidade de pesquisa desempenha para mais de dois milhões de pequenas empresas na Austrália”.

Via: Reuters