EnglishPortugueseSpanish

De 1º de janeiro a 13 de fevereiro, as escolas de São Paulo registraram 741 casos confirmados de Covid-19. A informação foi divulgada na terça-feira (16) pelo secretário estadual da Educação, Rossieli Soares. Os dados abrangem todas as redes de ensino: privada, pública, estadual e municipal.

Segundo Soares, as ocorrências englobam o retorno das aulas presenciais — iniciadas em 8 de fevereiro na rede estadual e em 10 de fevereiro nas escolas privadas —, as aulas de reforço e recuperação, bem como o período de preparação das aulas.

publicidade

Dos 741 casos confirmados de Covid-19, 456 foram observados na rede estadual: 77 ocorrências durante a primeira semana de aulas (entre 7 e 13 de fevereiro). Dos 456 infectados, 83 eram alunos e 372, professores ou funcionários das escolas. O caso mais recente envolveu um trabalhador terceirizado.

A “boa notícia” é que 357 escolas estaduais tiveram somente uma ocorrência de Covid-19 cada. “Na maioria das escolas, foi um caso apenas em cada. Isso é muito importante porque mostra que a pessoa não pegou na escola. Pode ter pego em qualquer outro lugar”, afirma o secretário.

Criança em sala de aula
Maioria das ocorrências de Covid-19 nas escolas de São Paulo envolveu professores ou funcionários. Foto: Governo do Estado de São Paulo/Divulgação

Na rede privada foram observadas 271 ocorrências de Covid-19: 141 casos em funcionários e 130 em alunos. Já a rede municipal foi a que apresentou menor número de casos confirmados da doença, com apenas 14 ocorrências.

Soares explica que os números são mais baixos na rede municipal porque a maioria das cidades não retomou as atividades. “As redes municipais que têm conselho próprio não terão informação no Simed [o Sistema de Informação e Monitoramento da Educação para a covid-19]. É o caso da cidade de São Paulo, que terá monitoramento próprio das escolas”, diz.

publicidade

Ao fazer o balanço desses dados, o Estado de São Paulo descartou 334 casos de infecção pela doença. Outras 1.133 ocorrências suspeitas de Covid-19 seguem em anáise.

Via: Agência Brasil