EnglishPortugueseSpanish

Em carta aberta divulgada nesta sexta-feira (12), o vice-presidente sênior de assuntos globais do Google, Kent Walker, criticou a Microsoft, chamando a empresa de “oportunista” e afirmando que eles estariam até mesmo “dispostos a quebrar o modo como a internet aberta funciona, em um esforço para minar um rival”.

Tudo isso começou com uma briga em meio às discussões sobre motores de busca pagarem ou não às empresas de comunicação pela exibição de conteúdos noticiosos em seus resultados.

publicidade

E a guerra se agravou quando, no mês passado, o Google bateu de frente com o governo da Austrália por conta de uma lei que seria implementada no país e acabaria por obrigar grandes empresas de tecnologia a pagarem pelas notícias.

Imagem mostra uma mão segurando um celular e, na tela, aparece a página de um site de notícias
Em briga com governo australiano, Google ameaçou banir o país do seu serviço de buscas. Crédito: Shutterstock

No meio da discussão, eis que surge a Microsoft, deixando claro seu apoio às reivindicações da Austrália.

Em uma carta, divulgada no dia 3 de fevereiro e intitulada “Microsoft apoia proposta do governo australiano sobre mídia de notícias e plataformas digitais”, a empresa afirmou: “Uma coisa está clara: enquanto outras empresas de tecnologia podem, às vezes, ameaçar deixar a Austrália, a Microsoft nunca fará tal ameaça. Apreciamos o que Austrália significou para o crescimento da Microsoft como empresa, e temos o compromisso de apoiar a segurança nacional e o sucesso econômico do país”.

Esse parágrafo específico da publicação, assinada pelo presidente da Microsoft, Brad Smith, pode se referir ao fato de que a Google não apenas ameaçou bloquear o funcionamento do buscador no país caso a legislação não fosse modificada.

Leia também:

Em resposta às declarações, Walker, do Google, disse que reconhece a Microsoft como rival nos diversos universos dentro dos quais elas competem diretamente, mas que o posicionamento da empresa foi um ataque a eles e baseado em interesses próprios.

“Respeitamos o sucesso da Microsoft e competimos arduamente com eles em cloud computing, buscas, aplicações de produtividade, videoconferência, e-mails e muitas outras áreas. Infelizmente, à medida que a competição nessas áreas se intensifica, eles estão recorrendo ao seu familiar guia para atacar rivais e fazer lobby por regulamentações que beneficiam seus próprios interesses”, afirmou o executivo.

Para Walker, a rival estaria atacando a empresa como uma forma de também minimizar os danos à reputação da empresa após o ataque hacker à SolarWinds.

“A Microsoft foi alertada sobre as vulnerabilidades em seu sistema, sabia que estavam sendo exploradas e agora está gerenciando os danos, enquanto seus clientes lutam para recolher os pedaços do que foi apelidado de ‘O Grande Roubo de E-mails”. Então, talvez não seja surpreendente vê-los tirando a poeira do velho e divertido livro de estratégias contra o Google (Scroogled).”

Via: Google, Microsoft.