Antes da Blizzard Entertainment existia a Silicon & Synapse. Antes de ‘Overwatch’, ‘Diablo’ e até mesmo ‘Warcraft’, existia ‘The Lost Vikings’, ‘Rock n ‘Roll Racing’ e ‘Blackthorne’. E agora, quem não viveu esses anos dourados, ou quem morre de saudades dos 16 bits, pode conferir esses jogos incríveis na coletânea Blizzard Arcade Collection.

O pacote faz parte das comemorações de 30 anos da Blizzard, e foi lançado para Nintendo Switch, PlayStation 4, Xbox One e Windows. Mas a desenvolvedora não se limitou a portar esses três jogos (que são clássicos absolutos) para os consoles da geração atual. Ela fez muito mais do que isso.

publicidade

Todos os três jogos ganharam recursos aprimorados, como a capacidade de retroceder em até 10 segundos e mapeamentos de teclas personalizado. Além disso, foram adaptados para os monitores e TVs modernas e totalmente traduzidos e localizados para o português brasileiro. E se você é um saudosista, as versões originais de todos os jogos também estão presentes no bundle.

Leia mais:

Individualmente, cada título ganhou melhorias. ‘The Lost Vikings’, o mais antigo de todos (lançado originalmente em 1992) manteve sua estrutura de jogo: três vikings – Erik, Baleog e Olaf – cada um com uma habilidade, devem se unir para superar os desafios. Você controla um viking de cada vez e deve alternar entre eles para passar das fases. A nova capacidade de voltar no tempo ajuda demais se você cometer algum erro no caminho.

A coleção conta com as versões do game para Super Nintendo e Mega Drive, mas a ‘Edição Definitiva’ conta com níveis extras e suporte para três jogadores ao mesmo tempo. A versão mais nova ainda é widescreen, e ocupa a tela inteira, dispensando as bordas da versão 16 bits.

The Lost Vikings
‘The Lost Vikings’ na versão para SNES. Imagem: Blizzard/Divulgação

Na sequência cronológica, ‘Rock N Roll Racing’ talvez tenha sido o mais beneficiado do pacote. Sucesso desde seu lançamento em 1993, o jogo de corrida foi relançado diversas vezes, mas agora ganhou sua edição definitiva de fato. Além dos gráficos aprimorados, a trilha sonora foi totalmente refeita, ou seja, a Blizzard trocou as músicas em midi e licenciou as faixas originais.

Então as músicas que na verdade só tocavam na nossa cabeça, como ‘Paranoid’, do Black Sabbath, ‘Born To Be Wild’ do Steppenwolf, ‘Bad to the Bone’ do George Thorogood and the Destroyers e ‘Highway Star’ do Deep Purple, agora embalam as corridas de verdade. E mais: novas músicas foram acrescentadas, como ‘Breaking the Law’, do Judas Priest. Até a narração do Larry Huffman foi refeita – e está maravilhosa.

Rock N Roll Racing
‘Rock N Roll Racing’ com quatro jogadores ao mesmo tempo. Imagem: Blizzard/Divulgação

‘Rock N Roll Racing’ agora suporta até quatro jogadores no modo multiplayer local e aumentou sua a contagem da pistas para 384 variações. Os nostálgicos podem jogar as versões originais do Super Nintendo e Mega Drive totalmente funcionais – inclusive nas trapaças.

‘Blackthorne’, de 1994, talvez o mais obscuro dos três, também ganhou tratamento especial. Além da ‘Edição Definitiva’ e da versão do SNES, há uma versão do Sega 32X que é basicamente um outro jogo – e eu particularmente nunca tinha jogado. O mapeamento automático pode te ajudar a explorar melhor o cenário do game, mas a maior parte das melhorias são compatíveis somente com as versões originais – como a possibilidade de salvar e retroceder no tempo.

Blackthorne
‘Blackthorne’ não tem como ser mais o retrato do seu tempo. Imagem: Blizzard/Divulgação

Geralmente, recursos como imagens de arquivo e textos históricos que fazem parte dessas coletâneas passam muito a sensação de “encher linguiça”, só para trazer mais conteúdo. Mas o Museu do ‘Blizzard Arcade Collection’ tem em si um elemento muito mais nostálgico.

Hoje uma empresa imensa, é muito interessante poder ver imagens e ler histórias dos primeiros anos da desenvolvedora. Fotos dos escritórios, artes dos jogos e até as capas dos cartuchos estão lá. Destaque para a galeria de ‘Blackthorne’, que tem desenhos do jogo feitos pelo quadrinista Jim Lee, que na época era o artista principal dos X-men na Marvel. Mais anos 1990 impossível.

‘Blizzard Arcade Collection’ é uma coletânea imperdível para fãs da empresa e gamers retrô. Percebe-se que foi feita com carinho, especialmente considerando seu preço (em média, R$ 79,90) se comparado com outras coleções que vem sendo lançadas por aí. De fato, um presente da Blizzard para sua legião (ou seria “horda”?) de seguidores.