O embate entre o Facebook e os produtores de conteúdo da Austrália parece ter chegado ao fim. A plataforma concordou em pagar para a News Corp, de Rupert Murdoch, pela distribuição de seu conteúdo jornalístico no país.

O acordo vem um mês depois de a rede social ter bloqueado links de notícias temporariamente. Estão incluídos no contrato os veículos conservadores da News Corp, como o The Australian, um jornal nacional, o news.com.au e outras publicações metropolitanas, regionais e comunitárias.

publicidade

No mês passado, o Google fez um contrato de três anos com a News Corp para pagar por seu conteúdo, mas o Facebook preferiu partir para o bloqueio dos links. O montante combinado na negociação entre as empresas não foi divulgado.

Robert Thomson, chefe-executivo da News Corp, diz que o acordo vai ter um impacto significativo nos negócios da companhia. Para ele, esse debate é muito importante, já que as redes sociais afetaram os ganhos do segmento de notícias. “Agora, a equipe do Facebook ajudou a desenhar um futuro para o jornalismo, que tem estado sob pressão extrema.”

Notícias de interesse público

Há, entretanto, quem critique a negociação. Ela começou com a aprovação de uma lei na Austrália, que pretendia fortalecer o jornalismo de interesse público. “Não há garantia de que o público vai se beneficiar”, aponta Tanya Notley, professora da Universidade de Western Sydney. Ela lembra que as negociações envolvem empresas conservadoras e alinhadas ao governo.

Marc Cheong, que pesquisa ética digital na Universidade de Melbourne, alerta para o controle que as mídias sociais têm sobre informações públicas. “Eles são os guardiões do acesso do público a esse material”, diz.

Em nota, o Facebook afirma que os contratos vão garantir que seus usuários tenham acesso a conteúdos de veículos de notícias. “Nosso compromisso é trazer o Facebook News para a Austrália”, diz Andrew Hunter, chefe de parcerias da plataforma na Austrália e na Nova Zelândia.

O discurso é bem diferente daquele de fevereiro, quando a rede bloqueou os links de notícias no país. Na época, o diretor do Facebook na Austrália e na Nova Zelândia, William Easton, comentou que a legislação australiana confunde o relacionamento entre a rede social e as empresas de notícias.

O governo da Austrália aponta a consolidação da publicidade digital em empresas como Google e Facebook, mas a plataforma insiste que beneficia as empresas de conteúdo ao enviar tráfego para seus sites. “Eles usam a plataforma para compartilhar seu conteúdo noticioso.”

Via: New York Times