A Comissão de Concorrência da Índia (CCI), responsável por defender a competitividade de mercado no país, acionou judicialmente o WhatsApp por sua nova política de privacidade. Na investigação, que começou nesta quarta-feira (24), o órgão acusa o aplicativo de violar as leis antitruste indianas, e, consequentemente, diminuir a competição.

Essa não é a primeira vez que os novos termos de privacidade da plataforma são questionados na Índia. No início deste ano, o aplicativo comunicou que passaria a compartilhar dados coletados com o Facebook. Após uma petição pública no país exigir o impedimento dos termos, a Suprema Corte Indiana emitiu um comunicado para cobrar explicações do WhatsApp. A Índia é o maior mercado do aplicativo: são 500 milhões de usuários no país.

publicidade

Agora, a CCI classificou a política de compartilhamento de dados entre os aplicativos como não “totalmente transparente nem baseada no consentimento voluntário e específico do usuário”. O WhatsApp tem 60 dias para apresentar um relatório respondendo às acusações. A alteração da política de privacidade do app recebeu críticas em diversos países e seu lançamento foi adiado para maio.

WhatApp é investigado na Índia por nova política de privacidade
A nova política de privacidade do WhatsApp prevê o compartilhamento de dados entre o aplicativo, o Facebook e o Instagram. Créditos: Freepik

O que muda?

Com os novos termos, empresas que tiverem contas comerciais no WhatsApp, no Facebook e no Instagram poderão utilizar os dados de interações no aplicativo de mensagens para criar anúncios mais direcionados nas outras redes. O app já compartilha algumas informações pessoais, como número de telefone, com o Facebook desde 2016.

Apesar de afirmar que as mudanças são direcionadas às interações com contas comerciais, o aplicativo passará a coletar dados específicos dos usuários, como o nível de carga da bateria, a operadora utilizada e identificadores que possibilitem o cruzamento dos dados entre Facebook, Messenger e Instagram, entre outros. É possível conferir a finalidade da coleta de informações nos novos termos de privacidade do aplicativo, mas não há detalhamento sobre cada dado armazenado.

Os usuários precisarão aceitar os novos termos para utilizar todos os recursos oferecidos pelo aplicativo. Quem não quiser aderir, porém, não precisa se preocupar: nenhuma conta será excluída se não aceitar as condições até 15 de maio.

Via: G1