O setor de tecnologia da informação e comunicação (TIC) deve injetar na economia R$ 845 bilhões em investimentos nos próximos três anos. Isso é o que apontou a Associação Brasileira de Empresas do setor de TIC – Brasscom, durante o evento TécForum, realizado nos dias 23 e 24 de março.

A computação em nuvem, uma das que mais cresceu no país nos últimos anos, deve ser uma das principais responsáveis por essa alavancagem, respondendo por um montante de R$ 181,9 bilhões até 2024 – ou o equivalente a 20% de crescimento ano a ano, segundo a associação.

publicidade

Para o presidente executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo, a nuvem é, de fato, a tecnologia que será crucial à transformação digital. E que trará “benefícios à toda economia brasileira”, disse durante o TécForum.

Imagem mostra uma parte de um notebook, em cima de uma superfície de madeira, e ao lado dele algumas nuvens feitas de papel. A ideia é ilustrar a computação em nuvem.
Computação em nuvem deve ser uma das principais tecnologias a alavancar o mercado, representando mais de R$ 180 bilhões em investimentos. Crédito: Shutterstock

Crescimento do setor de TIC

Na contramão geral dos setores durante a pandemia, o setor de TIC cresceu a um ritmo acelerado, segundo dados da Brasscom.

Quando analisado de forma macro (o que engloba TIC, telecom e TI in house), foram gerados R$ 506,5 bilhões em receita bruta no ano passado, o equivalente a um crescimento nominal de 2,4% na comparação com 2019. Isso é o equivalente a 6,8% do PIB brasileiro.

Apesar disso, o setor sofreu um leve impacto com a pandemia, ficando 0,8 pontos percentuais abaixo do crescimento registrado para 2019.

Já quando considerado o setor de TIC de forma mais detalhada, ao todo, o aumento foi de 5,1% em 2020, na comparação com 2019, alcançando pouco mais de R$ 216 bilhões. Destes, R$ 190,94 bilhões são referentes ao mercado interno (com crescimento de 3,9%), e os R$ 25,45 bilhões restantes são de exportações (aumento de 16,1%).

Para a conta detalhada, foram considerados investimentos em hardware, software, serviços, nuvem, terceirização de processos de negócios (do inglês, Business Process Outsourcing, ou apenas BPO), estatais e exportações.

Print da apresentação feita pela Brasscom mostra dados sobre a produção e crescimento do setor de TIC durante 2020, no comparativo a 2019
Dados mostram o crescimento do setor de TIC no Brasil em 2020, no comparativo com 2019. Crédito: Reprodução Olhar Digital/Brasscom

Em TI, a maior representatividade foi de software, serviços e nuvem, que respondem por 56% do total do mercado, ou R$ 106,48 bilhões. O crescimento em 2020 dessa fatia foi de 4,6%, sendo software responsável por R$ 36,02 bilhões e serviços, R$ 70,46 bilhões.

Já o segmento de hardware respondeu por R$ 84,46 bilhões, crescimento de 3%. Na conta, a produção de dispositivos (que responde por 82% do mercado de hardware) registrou crescimento de 5,2%, ou R$ 71,25 bilhões.

Enquanto isso, infraestrutura experimentou uma retração de 7,5%, registrando um total de R$ 13,21 bilhões no período.

Veja também:

Oportunidades em tecnologia

O mercado teve um saldo acumulado de empregos gerados de 58.638. No total, as oportunidades abertas para TI, tanto na indústria quanto em empresas de tecnologia e de outros segmentos, ultrapassaram 1,62 bilhão – contra 1,56 bilhão registrados em 2019.

Em março, a oferta de empregos em tecnologia sofreu retração em resposta ao impacto causado pelas incertezas do início da pandemia, com diminuição de 1.144 vagas. A queda permaneceu até abril, quando o recuo totalizou 32.130.

A partir de junho, no entanto, com a evolução dos impactos mais conscientes, o mercado retomou crescimento já com 3.201 ofertas geradas. Em outubro foi o pico, com 20.622 novas vagas.

A Brasscom destaca que a remuneração média do subsetor de software e serviços de TI é a maior dentre as pesquisadas e 2,9 vezes acima da média nacional.

Exportação

Outro destaque da pesquisa está relacionado à exportação de tecnologia. Segundo dados da Brasscom, essa foi a primeira vez que serviços de TIC e telecom superaram as exportações de hardware.

Serviços de TIC e telecom apresentaram crescimento de 30,3% em 2020, enquanto que exportações de hardware ficaram com aumento de 4,1%.

Via: Brasscom e Convergência Digital