Nesta terça-feira (20), a dubladora Ana Lucia Menezes morreu após sofrer um AVC causado por trombose cerebral. Você sabe o que é essa condição? Quais são as causas, sintomas e tratamentos?

De acordo com o Ministério da Saúde, a trombose cerebral ocorre quando o sangue coagula e entope uma das artérias do cérebro. É considerado um tipo de AVC e pode levar o paciente à morte, além de deixar sequelas permanentes.

publicidade

O perigo da trombose cerebral é que nem sempre ela possui sintomas. No entanto, a maior parte deles envolve dor de cabeça, calor, formigamento, dificuldade para falar, alterações na visão e tonturas – sintomas típicos de AVC, como no caso da Ana Lucia Menezes.

Grupos de risco

Idosos são mais suscetíveis a sofrerem trombose cerebral, contudo, outros fatores, como doenças pré-existentes e sedentarismo, podem acometer os mais jovens com a doença. Histórico familiar também aumenta as chances.

No geral, além da idade, o Ministério da Saúde classifica os fatores de risco como sendo:

  • hipertensão;
  • diabetes;
  • tabagismo;
  • consumo frequente de álcool e drogas;
  • estresse;
  • colesterol elevado;
  • doenças cardiovasculares, sobretudo as que produzem arritmias;
  • sedentarismo;
  • doenças do sangue.

Leia mais:

Tratamento

O tratamento precisa ser feito o mais rápido possível ainda no hospital. O caso é grave e geralmente necessita de pelo menos quatro dias de internação, pois, é o período com maiores chances de hemorragia. “Esse processo ocorre quando a pressão arterial, o pulso e a respiração estabilizam, muitas vezes um ou dois dias após o episódio de Acidente Vascular Cerebral e é conduzido por equipe multiprofissional, formada por neurologistas, enfermeiros, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais”, diz o ministério.

Ainda na unidade de saúde, deve ser iniciada a reabilitação, que envolve restabelecer as condições do paciente como mobilidade, habilidades funcionais e independência física e psíquica. A gravidade das sequelas depende do tempo que durou a trombose cerebral e do tamanho da lesão.

Via: Ministério da Saúde

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!