Para muitas companhias brasileiras, o ano de 2020 foi desafiador, mas a Positivo Tecnologia foi uma das que conseguiu acelerar os negócios durante a crise: fechou o ano fiscal com lucro líquido de R$ 195,8 milhões – o maior da empresa em dez anos.

Se comparado aos R$ 95,6 milhões registrados em 2010, o montante de 2020 mais que dobrou. Considerando que a Positivo enfrentou um resultado negativo de R$ 79,9 milhões durante 2015, a escalada foi ainda mais interessante.

publicidade

O ano fiscal trouxe também uma receita total de R$ 2,2 bilhões, além da possibilidade de expandir o portfólio de dispositivos fabricados e vendidos com o recente licenciamento de produtos da Compaq.

Imagem mostra uma sala aberta de escritório, com janelas grandes à esquerda, mesas enfileiradas e acompanhadas de cadeiras de escritório giratórias, além de PCs e notebooks em cima das mesas.
A debandada de funcionários para os home offices fez aumentar a demanda por notebooks e PCs, um dos principais motivadores para o bom ano fiscal da Positivo. Crédito: Shutterstock

O saldo final foi, em grande parte, possibilitado pelo aumento na demanda de notebooks e computadores, consequência direta da pandemia e da migração de funcionários dos escritórios para os home offices.

De acordo com o CEO da empresa, Hélio Rotenberg, a demanda por esses produtos foi “explosiva”.

“A tela grande, o processamento e a possibilidade de editar planilhas tornam o computador mais adequado do que um celular para trabalho e estudo, sem desmerecer o smartphone”, disse o executivo, em entrevista à Exame.

Leia mais:

O segmento de computadores e notebooks, aliás, representou quase 60% da receita da empresa, respondendo por R$ 56,8 milhões do lucro líquido – ou, quase 30%.

Considerando apenas os notebooks da marca Vaio, também produzida e comercializada pela empresa, o crescimento foi de 292% no último trimestre no ano na comparação ao mesmo período no ano anterior.

Além do mercado de dispositivos para uso pessoal, que a empresa comercializa sob a marca própria homônima e pela Vaio, ela também entrega produtos com o selo 2AM, focado no segmento de games. A companhia também comercializa acessórios da chinesa Anker, bem como smartphones próprios sob a marca Quantum.

O segmento de produtos para casas inteligentes, que também representam boa parte das vendas da Positivo, responderam por um crescimento de 1.485% em 2020.

Via: Exame