Os cientistas israelenses afirmam ter criado um remédio com 100% de eficácia em testes contra casos graves da Covid-19. De acordo com o grupo, pertencente à empresa de biotecnologia Bonus BioGroup, os 10 pacientes que foram tratados com o medicamento deixaram o hospital. A média foi um dia após o início do tratamento e eles tinham idades entre 45 e 75 anos, além de que a maioria com comorbidades.

A nova droga recebeu o nome de MesenCure e é composta por células-tronco, as quais são derivadas do tecido adiposo de doadores saudáveis, transmitida aos pacientes por transfusão de sangue. Ademais, a empresa afirmou que isso ajuda: a reduzir a inflamação dos pulmões, promover a regeneração do tecido pulmonar e aliviar os sintomas respiratórios causados pela Covid-19.

publicidade

“Até agora, os resultados do tratamento com o medicamento MesenCure são extremamente impressionantes e uma melhora em relação aos resultados de outros tratamentos”, revelou o Dr. Shadi Hamoud, autor do ensaio clínico e vice-diretor do Departamento de Medicina Interna em Rambam.

Além disso, ele contou que os resultados foram promissores e o hospital já estava examinando o uso para outras indicações. Os dados mostram uma redução de 40% na inflamação pulmonar, conforme visto nas radiografias de tórax, nos primeiros cinco dias após o tratamento. 

Depois de um mês, a inflamação pulmonar atingiu 1%. Os pacientes também apresentaram melhora significativa da função respiratória, com a saturação de oxigênio no sangue aumentando para 95% e o funcionamento do pulmão retornando aos níveis quase totalmente normais.

O estudo acompanhou os pacientes por 30 dias e todos, exceto um, sobreviveram. Entretanto, o paciente que morreu não foi por conta de Covid-19 e sim de uma doença grave preexistente. Vale ressaltar que ainda não há uma validação e revisão sobre o estudo científica.

Inclusive, na última semana, os resultados preliminares do ensaio clínico de fase I/II foram apresentados em uma conferência internacional em Nova Orleans, nos Estados Unidos. Conforme o jornal The Jerusalem Post, a equipe está trabalhando na publicação dos resultados em uma revista científica.

Com isso, o Ministério da Saúde de Israel aprovou uma nova fase de testes para incluir mais 50 pacientes com coronavírus no Centro Médico Rambam, no norte do país.

Leia também!

Fonte: The Jerusalem Post

Variantes da Covid-19 ganham novos nomes para evitar estigmas com países

Até então, as variantes da Covid-19 são chamadas pelos seus códigos em números ou informalmente pelos seus países de descoberta. Mas, para facilitar a diferenciação e evitar estigmas, a Organização Mundial de Saúde (OMS) deu nomes próprios para cada cepa.

A ideia é evitar que as variantes sejam chamadas pelo nome do país onde elas foram encontradas pela primeira vez. Com os novos nomes, cada cepa para a ser conhecida por uma letra diferente do alfabeto grego.

Para saber mais, acesse a reportagem no Olhar Digital.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!