A Volvo planeja construir veículos usando aço sustentável a partir de 2026. A decisão chega em sintonia com o anúncio da empresa de interromper, ainda nesta década, a produção de carros a combustão e como parte de um acordo que pode reduzir significativamente as emissões de carbono da fabricação de seus carros.

A montadora sueca fechou uma parceria com a fabricante de aço do mesmo país, a SSAB, para explorar o desenvolvimento da liga metálica produzida sem a utilização de combustíveis fósseis. Com isso, a Volvo será a primeira empresa do setor a ter automóveis montados com a versão mais “verde” do material.

publicidade
Volvo C40 Recharge
Volvo C40 Recharge. Imagem: Volvo/Divulgação

O projeto inovador da SSAB e da Volvo envolve a substituição do carvão por hidrogênio como principal combustível para manutenção da fábrica e geração de energia – uma parte crucial do processo. Além disso, a parceria prevê que a montadora ajude a fabricante da liga metálica em sua fábrica experimental – a Hybrit, que está desenvolvendo este aço sustentável -, assim como em construções de parques eólicos para auxiliar no abastecimento dessa planta.

De acordo com a Associação Mundial do Aço, o metal é responsável por 7% de toda a emissão de carbono na Terra, decorrente da queima maciça de carvão, utilizado para gerar energia nas siderúrgicas pelo mundo. Por isso, o material é um grande – a alguns, o maior – contribuinte para as consequência do efeito estufa.

No entanto, o aço é parte essencial da indústria automobilística, algo que faz com que o setor seja amplamente visto como um dos mais difíceis de descarbonizar. De forma resumida, os altos-fornos utilizados pelas montadoras usam grandes quantidades de energia, ao mesmo tempo que o dióxido de carbono também é liberado quando o carvão metalúrgico é usado para remover o oxigênio do minério de ferro.

emissão de carbono
Associação Mundial do Aço: metal é responsável por 7% de toda a emissão de carbono na Terra. Imagem: Shutterstock.com

A Volvo estima que o aço em seus carros a gasolina e diesel corresponde por 35% do carbono emitido durante a produção. Para os veículos elétricos da marca, o valor é de 20%, visto que usam significativamente mais energia na fabricação de baterias. Logo, a montadora espera que a substituição do carvão metalúrgico por hidrogênio reduza as emissões da produção de aço em pelo menos 90%.

“À medida que reduzimos continuamente nossa pegada de carbono total, sabemos que o aço é uma área importante para um maior progresso. A colaboração com a SSAB no desenvolvimento de aço livre de combustíveis fósseis pode dar reduções significativas de emissões em nossa cadeia de abastecimento”, explicou Håkan Samuelsson, executivo-chefe da Volvo Cars, ao portal The Next Web.

Leia mais:

O projeto da SSAB com a Volvo ainda está em fase inicial, mas a expectativa é de que o aço sustentável seja usado em um carro-conceito até 2025 e, um ano depois, a montadora passe a utilizar o material oficialmente na fabricação de seus automóveis, o que seria algo inédito na indústria. Isso ajudaria a empresa sueca a, de fato, reduzir as emissões médias de seus veículos antes do prazo autoimposto de 2030 – que é quando a marca deseja fabricar apenas elétricos.

Em 2040, a Volvo afirma que quer ser a primeira montadora totalmente neutra para o clima.

Fontes: The Guardian e The Next Web

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!