Depois de muita espera e ansiedade, o Departamento de Defesa (DoD) dos Estados Unidos finalmente revelou seu relatório sobre objetos voadores não identificados (OVNIs) nesta sexta-feira (25). Os documentos do Pentágono tratam de objetos misteriosos sobrevoando o espaço aéreo e militar do país nas últimas décadas.

As respostas, por enquanto, são poucas. O que realmente surpreende é o relatório não ser confidencial, uma das poucas vezes que a inteligência dos EUA faz isso. O governo do país admitiu publicamente que os estranhos avistamentos por pilotos são dignos de investigações minusciosas. O documento examinou 144 relatos do que o governo chama de “fenômeno aéreo não identificado”.

publicidade

Leia mais:

Os investigadores não encontraram, durante a averiguação, evidências de que esses OVNIs representassem vida extraterrestre ou mesmo um grande avanço tecnológico da Rússia ou China. “Não temos indicações claras de que haja qualquer explicação não terrestre para eles, mas iremos aonde os dados nos levarem”, disse um funcionário do governo, de acordo com a CNN.

Os investigadores estão convencidos também de que todos os avistamentos se tratavam de fato de “objetos físicos”. Dos incidentes, 80 incluíram dados de vários sensores. Onze casos quase causaram acidentes ou colisões com integrantes das forças armadas dos EUA.

A maior preocupação dos legisladores, inteligência e militares do país não é bem uma invasão alienígena, mas sim adversários estrangeiros usando tecnologia avançada no espaço aéreo norte-americano. Algo que também vai desapontar aqueles que esperavam ver provas de vida extraterrestre.

OVNIs
A preocupação dos investigadores é que os OVNIs sejam avanços tecnológicos de adversários dos EUA. Créditos: Divulgação/Pentágono

A maioria dos avistamentos foi feita pela Marinha. Os investigadores categorizaram os 144 eventos em cinco categorias: desordem aerotransportada, como pássaros ou balões meteorológicos, fenômenos atmosféricos naturais, programas de desenvolvimento do governo ou da indústria dos Estados Unidos, sistemas adversários estrangeiros e uma mais interessante e geral, chamada “outros”.

O problema é que 143 dos 144 casos não tinham dados suficientes para que fossem categorizados. Alguns, por exemplo, não incluíam dados técnicos para os engenheiros examinarem, contando apenas com as palavras dos pilotos. No fim das contas, o relatório traz mais perguntas do que respostas sobre os OVNIs.

Via: CNN

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!