Allison Mack, que ficou conhecida por seu papel como Chloe na série ‘Smallville, foi condenada nesta quarta-feira (30) a três anos de prisão por participação e envolvimento com o grupo NXIVM em um caso de culto sexual. A atriz ainda terá que pagar uma multa de US$ 20 mil (cerca de R$ 100 mil).

Mack foi presa em 2018 junto com outros membros da seita secreta, cujo líder e “guia espiritual autoproclamado”, Keith Raniere, foi sentenciado a 120 anos de prisão por tráfico sexual e outros crimes. Um ano depois, ela se declarou culpada de chantagear duas mulheres como parte de um suposto culto sexual realizado em Nova York, nos Estados Unidos (EUA).

publicidade

Durante o anúncio de sua sentença, a atriz de 38 anos pediu desculpas a todas as pessoas que feriu durante o período em que esteve no grupo. De acordo com a revista Deadline, ela “segurou as lágrimas” e revelou que se uniu há uma década à organização liderada por Raniere para “encontrar propósito na vida”.

Allison Mack: Atriz de 'Smallville' é condenada a 3 anos de prisão por participação em seita. Imagem: Featureflash Photo Agency / Shutterstock.com
Allison Mack: Atriz de ‘Smallville’ é condenada a 3 anos de prisão por participação em seita. Imagem: Featureflash Photo Agency / Shutterstock.com

“É de suma importância para mim dizer, do fundo do meu coração, eu sinto muito (…) Ao longo de todo o tempo, eu acreditei que as intenções de Keith Raniere eram de ajudar pessoas”, disse Mack . “Eu estava errada. Eu agora percebo que eu e outras pessoas engajamos em condutas criminosas”.

“Eu me joguei nos ensinamentos de Keith Raniere com tudo o que tinha. Eu acreditava, de todo o coração, que sua orientação estava me levando a uma versão melhor e mais iluminada de mim mesma. Dediquei minha lealdade, meus recursos e, em última análise, minha vida a ele. Este foi o maior erro e arrependimento da minha vida”, declarou.

O Gabinete do Procurador dos EUA, no Distrito Leste de Nova York, anunciou a decisão sobre o futuro da atriz durante audiência. Ela chegou a enfrentar um máximo de 40 anos de prisão, mas teve a sentença reduzida por duas vezes em meio a todo o processo: primeiramente por conta das diretrizes federais, que recomendaram uma punição de 14 a 17 anos e meio. Em seguida, os promotores solicitaram um corte ainda menor, apontando que a atriz “forneceu assistência substancial ao governo” no processo contra seus corréus.

Allison Mack e Tom Welling em cena de 'Smallville'. Imagem: The CW Television Network/Divulgação
Allison Mack e Tom Welling em cena de ‘Smallville’. Imagem: The CW Television Network/Divulgação

‎Criada por Alfred Gough e Miles Millar, ‎‎’Smallville: As Aventuras de Superboy’‎‎ estreou em 2001 e durou 217 episódios ao longo de 10 temporadas, terminando em 2011. A trama focava nas aventuras do jovem Clark Kent (Tom Welling) e seguiu seus anos de formação na cidade de Smallville, enquanto ele desenvolvia suas habilidades e fazia amigos e inimigos pelo caminho.

Além de Mack como Chloe Sullivan, amiga próxima do protagonista, o elenco principal também contava com Michael Rosenbaum como Lex Luthor, Kristin Kreuk como Lana Lang, Erica Durance como Lois Lane, Justin Hartley como Oliver Queen/Arqueiro Verde e Aaron Ashmore como Jimmy Olsen.

Rituais, exploração e mais: o horror da seita secreta Mack participava

A seita que Mack é acusada de participar e coliderar é conhecida por NXIVM (pronuncia-se nexium) que, conforme a acusação, funcionava sob uma filosofia que prometia sucesso pleno. Em seu depoimento à Justiça, a atriz admitiu que recrutava mulheres ao falar que elas fariam parte de um grupo de mentoria feminina.

Além de cursos e workshops, o culto tinha um braço mais exclusivo, o DOS. A principal teoria, conforme resultados da investigação, é que a sigla queria dizer “dominus obsequious sororium“, que em latim quer dizer “mestre das mulheres escravas”. Era justamente nesse setor mais obscuro que Mack participava como recrutadora.

Para entrar no grupo secreto dentro da Nxivm, as mulheres eram obrigadas a entregar segredos pessoais que pudessem arruinar suas reputações, segundo depoimento da atriz. A seita também coletava fotos explícitas e vídeos dos membros, além de assumir suas propriedades.

Leia mais:

Ainda conforme informações do Deadline, as mulheres selecionadas passavam por um tipo de “ritual de passagem”. Com uma caneta de cauterização, elas eram marcadas na região pélvica com as iniciais K.R. (Keith Raniere) ou A.M. (Allison Mack).

O objetivo principal do grupo era fazer com que essas mulheres fossem “escravas” lideradas por “mestres”. Durante reuniões, as pessoas da seita geralmente colocavam as mãos sobre seu peito e diziam frases como: “sinta a dor” e “pense no seu mestre”. Nuas, elas faziam um voto de lealdade ao guru e eram forçadas a fazer sexo com eles.

Fonte: Deadline

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!