Os meios de locomoção sustentáveis estão se popularizando cada vez mais em todo o mundo e, para acompanhar o mercado norte-americano e europeu dos últimos 10 anos, uma startup brasileira decidiu investir em bicicletas elétricas como o futuro da mobilidade urbana.

Analisando a situação do mercado nacional, o cofundador da startup BLIV, Bruno Caheté, usou seus mais de 30 anos de experiência no mundo das bikes para incrementar de maneira estável e segura a presença das bicicletas elétricas no Brasil.  

publicidade
Homem andando em uma bicicleta elétrica laranja
Bicicletas elétricas são o futuro da locomoção urbana? Imagem: Divulgação/BLIV

Devido aos altos valores de tributação, o executivo decidiu adotar um sistema de assinatura, seguindo o conceito de outros grandes serviços que se popularizam em todo o mundo, como Netflix, Airbnb, entre outros, o que barateou o uso das bicicletas elétricas.

No começo do negócio, as famosas E-bikes eram utilizadas por pessoas que estavam cansadas de passar horas no trânsito a caminho do trabalho ou voltando para casa. Porém, com a chegada da pandemia da Covid-19, o mercado se modificou, já que grande parte das pessoas passaram a trabalhar no modelo home office.

As bicicletas elétricas então se tornaram populares entre os entregadores dos serviços de delivery, que passaram a buscar um meio de transporte mais barato e funcional para atender uma demanda muito maior de entregas.  

O CEO da BLIV, Gumercindo Neto, aponta que a decisão por investir no comércio de bicicletas elétricas acompanha o movimento do consumidor, que está cada vez preocupado com a mudança climática e buscando adquirir novos hábitos, deixando a postura consumista para trás e pensando muito no ato de usufruir os bens.

Leia também!

Neto destaca ainda que, ao atuar como membro da Federação Mundial da Indústria de Artigos Esportivos (WFSGI, na sigla em inglês), pôde perceber que o mercado de bicicletas é muito maior que o de artigos esportivos diversos.

Segundo o executivo, é possível entender esse movimento ao analisar o crescimento exponencial da bicicleta nas economias centrais, além do próprio posicionamento do consumidor na consciência de compartilhamento dos bens por meio da locação.

O CEO da BLIV e seu sócio acreditam que com o fim da pandemia e a estabilização da economia, o mercado de bicicletas elétricas crescerá ainda mais.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!