Você já deve ter ouvido sobre o fato de que os humanos compartilham uma grande parte de nossos genomas e investigando mais profundamente, nosso DNA é exclusivamente da origem Homo sapiens. A informação é de um novo estudo que sugeriu que o número poderia ser tão pequeno quanto 1,5%, com o resto sendo compartilhado com nossos parentes antigos, como Neandertais e Denisovanos.

“Geramos um mapa dentro de genomas humanos de ancestralidade arcaica e de regiões genômicas não compartilhadas com hominídeos arcaicos”, disse a equipe em seu novo artigo. Além disso, descobriram que 1,5 a 7% do genoma humano é exclusivamente humano.

publicidade

Com isso, a equipe queria criar um sistema que pudesse identificar os eventos de mistura, bem como essa herança compartilhada – chamada de classificação de linhagem incompleta – que ajudaria a nos dizer quais regiões de nosso DNA são exclusivas para nós.

Eles criaram um algoritmo chamado SARGE – Speedy Ancestral Recombination Graph Estimator – para que pudessem mapear como nossos genes se entrelaçaram no tempo e nas espécies, separando-se e juntando-se novamente em diferentes pontos usando algo chamado gráficos de recombinação ancestral.

“Usando o gráfico de recombinação ancestral resultante, mapeamos a ancestralidade Neandertal e Denisovana, classificação de linhagem incompleta e a ausência de ambos nos genomas humanos modernos”, pontuaram.

Ademais, foi encontrado “evidências de pelo menos uma onda de mistura de Neandertal com os ancestrais de todos os não-africanos” e também “evidências de múltiplas explosões de mudanças adaptativas específicas para os humanos modernos nos últimos 600.000 anos envolvendo genes relacionados ao desenvolvimento e função do cérebro”.

Os pesquisadores explicaram que a maioria dos genes que eram exclusivamente nossos não eram genes com funções desconhecidas, mas sim um DNA bem conhecidos que codificavam proteínas usadas no cérebro.

O SARGE não é capaz de dizer aos pesquisadores por que essas explosões de mudanças adaptativas aconteceram naquele momento. “É extremamente tentador especular que uma ou mais dessas explosões tiveram algo a ver com o comportamento incrivelmente social que os humanos têm – mediado em grande parte por nosso controle especializado da fala e da linguagem”, disse o paleogeneticista de Santa Cruz e um dos pesquisadores da Universidade da Califórnia, Richard Green ao Business Insider.

Leia mais:

Fonte: Science Alert

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!