Nesta quarta-feira (28), o Instituto Butantan, centro de pesquisas biológicas de São Paulo, entregou ao governo brasileiro mais 1,5 milhão de doses da CoronaVac, vacina contra a Covid-19 desenvolvida em parceria com o laboratório chinês Sinovac. Os imunizantes serão distribuídos para todo o país pelo Programa Nacional de Imunizações.

De acordo com a Agência Brasil, até o momento o Butantan já entregou 61,6 milhões de doses da CoronaVac encomendadas pelo Ministério da Saúde. A previsão é que até o final do mês de agosto o instituto consiga fornecer o total de 100 milhões de imunizantes contratados.

A aquisição da CoronaVac por parte do governo brasileiro, contudo, enfrentou movimentações controvérsias. O próprio presidente Jair Bolsonaro havia afirmado que não compraria a “vacina chinesa”. Tempos depois, Bolsonaro recuou e disse que a decisão pela vacina ficaria a cargo do Ministério da Saúde, assim que ela fosse aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

A deliberação do Ministério pela contratação da CoronaVac foi anunciada em dezembro de 2020.

publicidade
Vacina e seringa com doses do imunizante CoronaVac
Lote da CoronaVac fornecido ao Ministério da Saúde é referente ao contrato de 100 milhões de doses firmado entre as partes. As vacinas devem acelerar o Programa Nacional de Imunizações. Crédito: cadu.rolim/Shutterstock

O lote entregue hoje pelo Butantan faz parte das 8,5 milhões de doses que estão sendo processadas a partir dos 6 mil litros de ingrediente farmacêutico ativo (IFA) recebidos da China no último dia 26 de junho. A matéria-prima é suficiente para a produção de outras 10 milhões de doses.

Além disso, o Butantan recebeu, no dia 13 de julho, mais 12 mil litros do IFA insumo, que vão permitir a conclusão da fabricação de 20 milhões de doses de vacina. É provável que com a entrega final das doses de CoronaVac, a vacinação em massa no país, que caminha a passos lentos, finalmente avance.

Leia mais:

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!